PF põe ‘Estação Brás’ e ‘Bengal Tiger’ contra grupo que contrabandeava migrantes e lavou US$ 10 mi

PF põe ‘Estação Brás’ e ‘Bengal Tiger’ contra grupo que contrabandeava migrantes e lavou US$ 10 mi

Operações em parceria com autoridades de 20 países investigam organização criminosa responsável por uma rota de migração ilegal que partia de países do Sul da Ásia com direção aos Estados Unidos

Pepita Ortega e Fausto Macedo

31 de outubro de 2019 | 08h00

Fronteira do México com os EUA. Foto: Carlo Binger / AE / 28.04.2003

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta, 31, as operações internacionais Estação Brás e Bengal Tiger para investigar contrabando de migrantes e lavagem de dinheiro. Segundo a corporação, as ações ocorrem simultaneamente em 20 países contra um grupo que chefiava uma rota clandestina de migração para os Estados Unidos. A organização criminosa teria movimentado ao menos US$ 10 milhões no Brasil entre 2014 e 2019, indicou a PF.

Saifullah Al Mamun. Foto: PF

Agentes cumprem 8 mandados de prisão temporária e 18 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Embú das Artes e Taboão da Serra (SP) e Garibaldi (RS).

Além disso, a 10ª Vara Federal Criminal Especializada em Lavagem de Dinheiro de São Paulo e a Justiça Federal do Acre determinaram o bloqueio judicial de 42 contas utilizadas pela organização criminosa.

A operação que tirou de cena o líder da maior rede de tráfico de migrantes do mundo foi comandada pela Delegacia de Defesa Institucional da PF em São Paulo.

Segundo a corporação, as ações ocorrem, internacionalmente, ao longo da rota clandestina de migração, ‘com a intensificação do controle migratório ao longo de toda a rota percorrida pelos contrabandeados’.

A Polícia Federal indicou que as investigações tiveram início em maio de 2018, em cooperação com a Agência de imigração dos Estados Unidos – U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE).

A Polícia Federal suspeitava que estrangeiros residentes em São Paulo estariam liderando uma organização criminosa que promovia migração ilegal de pessoas para os EUA.

Operação Estação Brás, da PF, combate esquema de contrabando de migrantes. Foto: PF/Divulgação

Os agentes identificaram que o grupo criminoso providenciava solicitações de refúgio ou o fornecimento de documentos de viagem falsos – passaportes, vistos e cartas de tripulantes marítimos – a migrantes de países do Sul da Ásia, em especial Afeganistão, Bangladesh, Índia, Nepal e Paquistão.

Os migrantes saiam de seus países com destino ao Aeroporto Internacional de Guarulhos e então eram recebidos pela quadrilha. Segundo, a PF, ao longo do tempo em que permaneciam em São Paulo, os migrantes ficavam no bairro do Brás, na região central de São Paulo, e sofriam maus-tratos, como cárcere privado, agressões físicas e psicológicas.

Depois, os estrangeiros seguiam para Rio Branco (AC), de onde atravessavam a fronteira com o Peru e seguiam por via terrestre – ônibus, barco, carona e a pé – até a fronteira do México com os EUA.

Ao longo do trajeto, os migrantes passavam por diferentes países: Peru, Equador, Colômbia, Panamá, Costa Rica, Honduras, Nicarágua, El Salvador, Guatemala e México.

Segundo a PF, os contrabandistas tinham domínio da rota clandestina e mantinham contato com associados em todos os países e continentes envolvidos.

Polícia Federal deflagrou as operações Estação Brás e Bengal Tiger. Foto: PF/Divulgação

A investigação apurou ainda que o grupo criminoso teria sido responsável pela migração ilegal de oito migrantes bengaleses que, em junho deste ano, foram sequestrados por cartéis de drogas mexicanos, na cidade de Nuevo Laredo, já na fronteira do México com os Estados Unidos.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, o grupo teria utilizado diferentes estratégias para lavar os U$ 10 milhões que movimentou no País entre 2014 e 2019, entre elas: uso de ‘laranjas’; saques e movimentações em espécie; transferências, saques e movimentações de valores fracionados; e operações de dólar-cabo.

Rua Barão do Ladário, 859, onde ficava o restaurante de um dos parceiros de Sallufah. Foto: Google Maps/Reprodução

A Polícia Federal indicou que os investigados podem responder pelos crimes de contrabando de migrantes, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Os nomes ‘Estação Brás’ e ‘Bengal Tiger’

A corporação indicou que o nome da operação ‘Estação Brás’ faz referência ao bairro da cidade de São Paulo onde os principais líderes da organização criminosa atuam e onde os migrantes ilegais eram recebidos antes de seguirem pela rota ilegal até os Estados Unidos.

Já o nome da operação ‘Bengal Tiger’ tem relação com a origem bengalesa dos migrantes contrabandeados, indicou a corporação.

Operação Big Five

Em agosto último, a PF deflagrou a Operação Big Five, que já mirou uma organização no Brás que atuava no contrabando de migrantes vindo da África Ocidental para os Estados Unidos. A Procuradoria denunciou três integrantes da organização, que acreditava contrabandear de 30 a 50 pessoas mensalmente pelo País.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: