PF põe 18 vezes nome de Lula em interrogatório de Bumlai

PF põe 18 vezes nome de Lula em interrogatório de Bumlai

Linha de questionamentos a pecuarista preso na Lava Jato revela que investigadores buscam indícios contra ex-presidente e o PT

Andreza Matais, de Brasília, Ricardo Brandt e Julia Affonso

24 de dezembro de 2015 | 13h00

Lula. Foto: AP

Lula. Foto: AP

A Polícia Federal mencionou dezoito vezes o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao interrogar o empresário José Carlos Bumlai, amigo pessoal do petista desde 2002. As citações constam do terceiro depoimento prestado pelo empresário desde que foi preso há um mês pela Operação Passe Livre, um desdobramento da Lava Jato.

A linha de questionamentos da PF a Bumlai revela que os investigadores buscam algum indício de envolvimento do ex-presidente e do PT nos negócios do pecuarista. Bumlai blindou o ex-presidente em todas as suas respostas, assim como fez nos depoimentos anteriores. “Que solicitação ele [Lula] poderia me fazer? Ele não precisava de mim para nada. Acho que ele não me pediria nada. Ele tinha as pessoas de confiança dele. Eu não era uma pessoa assim”, afirmou ao responder um dos questionamentos.

O Instituto Lula, criado pelo ex-presidente quando deixou o Palácio do Planalto, no início de 2003, foi citado três vezes em perguntas da PF. A Receita Federal instaurou procedimento para solicitar informações ao instituto que podem gerar abertura de investigação tributária e criminal no processo da Lava Jato.

Bumlai afirmou que para conversar com Lula telefonava para o número de Marisa Letícia, mulher do petista. “Perguntado ‘sobre a forma de comunicação que mantinha com Luiz Inácio Lula da Silva disse que entrava em contato através do número de sua esposa’. Que ‘pelo que o reinterrogando [Bumlai] sabe Luiz Inácio Lula da Silva nunca possuiu um número de celular próprio'”.

[veja_tambem]

No inquérito em que questionou Bumlai sobre Lula, a PF investiga empréstimo de R$ 12 milhões tomado por Bumlai no Banco Schahin, em outubro de 2004 – o real destinatário do dinheiro foi o PT, segundo o empresário. O inquérito é dirigido pelo delegado da PF Filipe Hille Pace.

Sobre o capítulo Schahin, o pecuarista disse que o empréstimo foi negociado na presença do então tesoureiro do PT, Delúbio Soares – mais tarde réu e condenado no processo do Mensalão. A PF também questionou Bumlai sobre e-mail dele para o secretário da Embaixada do Catar em Brasília, em fevereiro de 2014, em que o pecuarista demonstra empenho em agendar uma reunião com o ex-presidente. “Que ‘durante os anos de 2014 e 2015, não repassou qualquer demanda de interessados em solicitar reuniões, palestras e outros pleitos a Luiz Inácio Lula da Silva'”, disse Bumlai.

Pecuarista José Carlos Bumlai, preso na Lava Jato, embarca para Curitiba

Pecuarista José Carlos Bumlai, preso na Lava Jato, embarca para Curitiba

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA ARNALDO MALHEIROS FILHO, DEFENSOR DE JOSÉ CARLOS BUMLAI

“Há um grande empenho das autoridades em pressionar Bumlai para que, de alguma maneira, envolva Lula na apuração da Lava Jato. É inegável e notória a amizade entre ambos. O que não existe é intermediação criminosa daquele junto a este para a realização de negócios ou patrocínio de negócios privados de terceiros. A única vez em que Bumlai teve interesse em apresentar alguém a Lula – sem que isso configure crime algum – foi em razão de um pedido já formulado pelo embaixador do Qatar, num momento em que ele fez uma tentativa de fechar um negócio naquele país, sem obter êxito.”

ACOMPANHE TRECHOS DO INTERROGATÓRIO DE JOSÉ CARLOS BUMLAI EM QUE RESPONDE À PF SOBRE LULA

Que indagado se a presença de Delúbio Soares na sede do Banco Schahin representava para o reinterrogando o interesse de Luiz Inácio Lula da Silva na realização do empréstimo, disse que não. “Na verdade, sua (Delúbio) presença traduzia o interesse do Partido dos Trabalhadores.”

Que indagado ‘se está tentando proteger figuras públicas de responsabilidade no episódio, tais como o ex-presidente da República e outros dirigentes do Partido dos Trabalhadores, tais como seu presidente à época José Genoíno, respondeu que não está tentando proteger ninguém’.

Que indagado ‘se se sentiria constrangido em não atender a uma solicitação do então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, disse, em suas palavras: “que solicitação ele poderia me fazer? Ele não precisava de mim para nada. Acho que ele não me pediria nada. Ele tinha as pessoas de confiança dele. Eu não era uma pessoa assim.”

Que indagado ‘se seria uma pessoa de confiança de Luiz Inácio Lula da Silva, disse acreditar que sim, exceto em assuntos relativos a negócios’.

Que indagado ‘se, em verdade, o suposto constrangimento que sofreu não advinha do fato de que o pedido para que o reinterrogando tomasse o empréstimo em prol do Partido dos Trabalhadores teria partido do então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva ou de outros dirigentes da agremiação política, respondeu negativamente’.

Que indagado ‘se realmente nunca tratou de questões comerciais ou políticas com Luiz Inácio Lula da Silva, respondeu que não’.

Que perguntado ‘se exercia funções de secretário de Luiz Inácio Lula da Silva disse que não’.

Que perguntado ‘sobre a forma de comunicação que mantinha com Luiz Inácio Lula da Silva disse que entrava em contato através do número de sua esposa’.

Que ‘pelo que o reinterrogando sabe Luiz Inácio Lula da Silva nunca possuiu um número de celular próprio’.

Que ‘durante os anos de 2014 e 2015, não repassou qualquer demanda de interessados em solicitar reuniões, palestras e outros pleitos a Luiz Inácio Lula da Silva’.

Que ‘indagado novamente se confirma que nunca tratou de assuntos comerciais ou políticos com Luiz Inácio Lula da Silva respondeu que, além do caso narrado acima (e-mail da Embaixada do Catar), não se recorda de outros episódios, contudo, gostaria de esclarecer que não possui relações comerciais com Lula’.

Que ‘indagado qual o motivo que a autoridade policial tem para acreditar na versão dos fatos dado pelo reinterrogando se ele continua a omitir e mentir sobre fatos relevantes para a investigação, respondeu que o caso anterior (EMbaixada do Catar) reflete a necessidade de elucidação de fatos que chegam ao conhecimento das autoridades com o avançar das investigações’.

Que ‘gostaria de afirmar que não existirão tantos outros fatos a serem elucidados’.

Que ‘considerando que, no entender da autoridade policial, o reinterrogando faltou com a verdade ao afirmar que nunca tratara de assuntos comerciais e políticos com Luiz Inácio Lula da Silva, indagado se confirma que nunca conversou com o ex-presidente sobre o problema que enfrentava com a Schahin, disse que nunca conversou sobre este tema com ele’.

Que ‘indagado se mantém sua última afirmação, uma vez que lhe foi demandado que dissesse se tem certeza sobre o fato de que nunca tratou de seu empréstimo com Lula, disse que acredita e que tem quase certeza de que nunca tratou deste tema com o ex-presidente’.

O Instituto Lula não comentou.

Tudo o que sabemos sobre:

José Carlos Bumlaioperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: