PF pega agenda de pagamentos de Wilson Santiago com nomes de deputados, prefeitos e vereadores de 62 cidades na Paraíba

PF pega agenda de pagamentos de Wilson Santiago com nomes de deputados, prefeitos e vereadores de 62 cidades na Paraíba

Documentos foram apreendidos na Operação Pés de Barro, deflagrada no dia 21 de dezembro por ordem do ministro Celso de Mello

Pepita Ortega

05 de fevereiro de 2020 | 15h26

A Polícia Federal encontrou no apartamento do deputado Wilson Santiago, em João Pessoa, uma agenda com ‘anotações de pagamentos para personalidades politicamente proeminentes da Paraíba‘, citando deputados, prefeitos, ex-prefeitos e vereadores ligados a 62 cidades do Estado. Segundo a corporação, a listagem inclui o nome do atual prefeito da capital paraibana, Luciano Cartaxo, ‘ao lado de cifras que totalizam R$ 260 mil’.

A agenda foi apreendida durante as buscas da Operação Pés e Barro, deflagrada em dezembro de 2019 para apurar suposto pagamento de R$ 1,2 milhão em propinas resultantes do superfaturamento das obras da Adutora Capivara, no sertão paraibano. O deputado e outras seis pessoas foram denunciadas pelos crimes de corrupção e organização criminosa no âmbito da Operação.

A PF pegou ainda um manuscrito com uma relação de municípios e ‘o que seriam valores financeiros a eles relacionados’. Na lista constavam os nomes das cidades de Bernardino (Bernardino Batista), Bonito (Bonito de Santa Fé), Poço Dantas, Poço José de Moura, e outros.

Em João Pessoa, além da agenda e do manuscrito, os agentes encontraram sete celulares, um chip e um smart watch no apartamento. O primeiro aparelho a ser apreendido foi entregue nas mãos dos policiais por Santiago, um nokia antigo. Segundo relatório da PF, o deputado disse que era seu único celular.

Em uma mala de mão que estava na cabeceira da cama do deputado, foram encontrados outros dois aparelhos, além de R$ 1 mil em espécie.

Durante o transcorrer das buscas, a equipe escutou um barulho vindo do interior do frigobar do casal, e lá encontrou um celular escondido dentro de uma caixa de remédios.

Celular encontrado em caixa de remédio no frigobar da casa de Wilson Santiago. Foto: Reprodução

Segundo o relatório, quando a Polícia Federal chegou ao apartamento, o deputado pediu dois minutos a sós com sua esposa no quarto para vestir-se. Passados o tempo, os policiais abriram a porta do quarto e surpreenderam Wilson Santiago agachado em frente ao eletrodoméstico.

Questionado, o deputado disse que o aparelho era de uma mulher de Brasília que lhe havia pedido para levar o aparelho para conserto em João Pessoa.

Também foram apreendidos documentos de operações bancárias de depósito em favor de empresas controladas pelo grupo familiar de Wilson Santiago, além do registro de controle financeiro da aeronave PT-WRL, registrada em nome da empresa JFB Locadora.

O registro foi encontrado na mala de mão do deputado, revela ‘graves indícios de ocultação patrimonial para fins de lavagem de dinheiro’, segundo a PF. Isso porque a JFB Locadora tem como único sócio Israel Nunes de Lima, ex-secretário parlamentar preso da Pés de Barro.

Outro documento apreendido foi a certidão vinterinária do apartamento em que Santiago mora em João Pessoa, que apontava que o imóvel pertence a uma construtora que tem como como procuradora Maria Nilda Santiago Silva, irmã de Wilson.

“O material apreendido durante o procedimento de busca e apreensão revela importantes indícios de ocultação patrimonial e dissimulação de operações financeiras através de pessoas dos círculos íntimos familiar e profissional de Wilson Santiago bem como indicativos de repasses ou recebimentos de recursos financeiros”, registrou a equipe no relatório.

Já o documento que registra as apreensões feitas em endereço ligado ao deputado em Brasília, revela um cheque de R$ 3 milhões assinado pelo petebista. Não há informação a quem se destinou o cheque, mas, conforme relatório da PF, a sua existência pode indicar a ‘capacidade financeira do investigado’.
O cheque estava no cofre do deputado, onde também estavam cerca de R$37.725,00 em espécie, também apreendidos.

A Polícia Federal ainda apreendeu, no quatro do deputado, sete cópias de planilhas de cheques com anotações de valores e nomes, e uma outra agenda, com indicações semelhantes.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE WILSON SANTIAGO

A reportagem busca contato com a defesa do deputado. O espaço está aberto para manifestações.

COM A PALAVRA, O PREFEITO LUCIANO CARTAXO

A reportagem busca contato com o prefeito. O espaço está aberto para manifestações.

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.