PF pediu prisão preventiva do ex-governador de Goiás

PF pediu prisão preventiva do ex-governador de Goiás

José Eliton (PSDB) é alvo da Operação Decantação, que investiga fraudes e desvios milionários da Companhia Saneamento de Goiás, mas Justiça autorizou apenas busca e apreensão em seus endereços

Julia Affonso

29 de março de 2019 | 07h00

Ex-governador José Eliton. Foto: Reprodução/Facebook

A Polícia Federal chegou a pedir à Justiça a prisão do ex-governador de Goiás José Eliton (PSDB) no âmbito da Operação Decantação, investigação sobre desvios milionários da Campanhia Saneamento de Goiás (Saneago). A Justiça autorizou apenas buscas contra o tucano, que também foi vice do ex-governador Marconi Perillo (PSDB).

Documento

Documento

A Decantação, deflagrada nesta quinta, 28, apreendeu R$ 2,3 milhões em dinheiro vivo. A PF pegou R$ 1 milhão com Luiz Alberto de Oliveira, ex-chefe de gabinete de Marconi Perillo, e mais R$ 1,3 milhão com sua filha Gisela.

Os investigadores identificaram planilhas de voos em material apreendido na empresa Terra Forte Construtora, controlada por Carlos Eduardo Pereira da Costa. Os dados apontaram que a aeronave PR-FKY da empresa Sanefer, também controlada pelo executivo, foi usada entre 2012 e 2014 pelo então vice-governador e secretário de Segurança Pública, José Eliton, e pelo chefe de gabinete Luiz Alberto de Oliveira.

“O dinheiro repassado por José Eliton diretamente da SSP/GO para pagamento das empresas de Carlos Eduardo retornaram ao primeiro, a título de propina, através de doações eleitorais para campanha do PSDB e de Marconi Perillo, inclusive na forma de empréstimo da aeronave”, destacou o juiz Rafael Ângelo Slomp, da 11.ª Vara Federal de Goiânia.

R$ 2,3 milhões apreendidos com Luiz Alberto de Oliveira, ex-chefe de gabinete de Marconi Perillo, e com sua filha. Foto: PF

Segundo a investigação, Luiz Alberto de Oliveira ‘era o responsável por agendar reuniões entre Carlos Eduardo e José Eliton para liberação de recursos da SSP/GO à Saneago’.

A Decantação destaca que os recursos eram transferidos imediatamente à Sanefer pela estatal, ‘possivelmente por determinação de José Eliton’.

“Posteriormente, parte do referido valor seria repassada a Luiz Alberto via cessões de crédito”, narra o magistrado.

Rafael Ângelo Slomp pontua que o empresário Carlos Eduardo Pereira da Costa doou, pessoalmente, e por meio de suas empresas Hidrobombas, Sanefer e Terra Forte, ‘recursos para campanhas eleitorais nos anos de 2008 a 2014, totalizando o montante de R$ 3,878 milhões’.

Deste total, R$ 440 mil foram transferidos pela Sanefer à campanha de Marconi Perillo ao Governo de Goiás em 2014, de quem José Eliton era vice.

O Ministério Público Federal foi contrário ao pedido de prisão de José Eliton.

Segundo o procurador da República Hélio Telho, ‘embora haja fundadas suspeitas de que integre a organização criminosa e tenha efetivamente agido para beneficiar a empresa Sanefer possivelmente em troca de propina, a deflagração desta operação só será realizada no início de 2019, por questões de logística e de impossibilidade técnica’.

“As informações até então obtidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal demonstra que José Eliton praticou os crimes que ora lhe são imputados na qualidade de vice-governador, cargo que lhe conferia amplos poderes e possibilidade de ingerência no Governo do Estado. Governador desde abril de 2018, o investigado permanecerá no cargo somente até 31 de dezembro deste ano. Assim, a decretação de sua prisão preventiva em 2019 não se mostra oportuna, uma vez que o investigado já não exercerá função política no governo”, argumentou a Procuradoria da República.

“Diferentemente de Robson Borges Salazar, que se mantém junto à Saneago, José Eliton não exercerá, ao menos a princípio, função pública que lhe possibilite continuar atuando na organização/associação criminosa. Acrescenta-se que as provas coligidas aos autos até o presente momento não demonstram satisfatoriamente a participação de José Eliton na prática de lavagem de capitais. Os relatórios de análise de material apreendido e as informações policiais indicam, na realidade, que houve pagamentos irregulares, quiçá superfaturados, à empresa Sanefer, possivelmente em troca de propina, na forma de doação eleitoral.”

O juiz decretou a prisão temporária de Luiz Alberto de Oliveira, Gisella Silva de Oliveira Albuquerque, Carlos Eduardo Pereira da Costa, Nilvane Tomás de Sousa Costa e Robson Borges Salazar por cinco dias.

“No que diz respeito à prisão temporária do investigado José Eliton Figueiredo Júnior, o próprio Parquet Federal mostrou-se contrário à medida, não se fazendo necessária a medida constritiva de liberdade”, anotou o magistrado.

A reportagem está tentando localizar a defesa do ex-governador de Goiás José Eliton. O espaço está aberto para manifestação.

Tudo o que sabemos sobre:

GoiásPolícia Federal

Tendências: