PF pede mais prazo para investigar Temer

PF pede mais prazo para investigar Temer

Ministro Edson Fachin, relator do inquérito no Supremo, havia determinado que o inquérito fosse encerrado em 10 dias, já esgotados

Breno Pires, de Brasília

10 de junho de 2017 | 18h56

Michel Temer. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

A Polícia Federal pediu a ampliação do prazo para concluir a investigação contra o presidente Michel Temer (PMDB) e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). O ministro Edson Fachin, relator do inquérito no Supremo, havia pedido, no dia 30, que a investigação fosse encerrada em um prazo de dez dias, que se esgotou. A quantidade de dias solicitados não foi informada no andamento do processo no STF.

O alargamento do prazo à PF, se atendido por Fachin, não impede o Ministério Público Federal de, no meio tempo, oferecer denúncia ao STF contra o presidente Temer e Loures, seu ex-assessor especial da Presidência, alvo da Operação Patmos. A formalização da acusação pode ser feita mesmo sem o relatório final da PF, se a PGR estiver convicta de que houve crimes.

Temer e seu ex-assessor especial, que está preso no Complexo Penitenciário da Papuda, passaram a ser investigados pelo Ministério Público Federal com base nas delações de executivos da empresa JBS, sob a suspeita de prática dos crimes de corrupção passiva, participação em organização criminosa e obstrução à investigação de organização criminosa; eles negam qualquer crime.

Na sexta-feira (9), o presidente da República se recusou a responder às 82 perguntas enviadas pela Polícia Federal no inquérito da Operação Lava Jato. A defesa pediu também o arquivamento do inquérito. Da mesma forma, Rodrigo Rocha Loures, levado para interrogatório na sexta, calou.

RELEMBRE: As 82 perguntas que Temer ignorou

+ ‘Verdadeiras bisbilhotices’, diz advogado de Temer sobre as 82 perguntas da PF

+ ‘Comédia bufa, encenada por um empresário e criminoso confesso’, reage Temer

+ ‘Invasivas e inoportunas’: o que Temer achou das 82 perguntas da PF

No meio político, é dado como certo que a Procuradoria-Geral da República vai apresentar denúncia ainda em junho contra o presidente, que já fez contas e estima ter os 172 votos mínimos necessários na Câmara para barrar a acusação, dentre os 513 deputados.

Tendências: