PF pede André do Rap na difusão vermelha da Interpol

PF pede André do Rap na difusão vermelha da Interpol

Redação

13 de outubro de 2020 | 11h30

André de Oliveira Macedo, o André do Rap, acusado de chefiar o tráfico de drogas internacional do PCC no Porto de Santos Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal pediu a inclusão do nome de André Oliveira Macedo, o André do Rap, na difusão vermelha da Interpol. Os investigadores aguardam a tramitação da solicitação.

O traficante está foragido após deixar a Penitenciária de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, na manhã de sábado, 10, após decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal. A liminar foi derrubada pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux, mas os investigadores suspeitam que o traficante apontado como um dos líderes do PCC tenha deixado o País.

A difusão vermelha é o alerta máximo da Organização Internacional de Polícia Criminal e limita os deslocamentos do alvo. Caso o pedido da PF seja aprovado, se André do Rap ingressar em território que integra a comunidade policial, pode ser imediatamente detido.

A força-tarefa anunciada pelo governador de São Paulo, João Doria, para recapturar o foragido deve fazer nesta terça, 13, uma reunião para acertar os próximos passos da investigação.

Ao Estadão, o delegado Fábio Pinheiro Lopes, que integra a força-tarefa e foi responsável por conduzir a operação que prendeu André do Rap em setembro de 2019, apontou uma série de fatores que devem dificultar a recaptura do suposto líder do PCC, entre eles seu ‘trânsito internacional muito grande’.

“Então por esse poder aquisitivo, pela rede de contatos – ele já morou na Holanda -, ele tem um trânsito internacional muito grande. Então isso que vai dificultar a recaptura dele. Ele tem varias empresas ‘laranja’ também. Consegue usar esse poderio financeiro para conseguir fugir”, registrou o delegado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: