PF pede à Procuradoria gravador usado por delator na conversa com Temer

Instituto Nacional de Criminalística diz que é 'fundamental' ter acesso ao equipamento utilizado pelo executivo Joesley Batista, da JBS, na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu

Fábio Serapião, de Brasília

21 de maio de 2017 | 20h02

A Polícia Federal pediu à Procuradoria-Geral da República que providencie a entrega do equipamento utilizado pelo executivo Joesley Batista, da JBS, para gravar a conversa com o presidente Michel Temer na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu. A medida foi tomada depois que o Instituto Nacional de Criminalística – órgão central de perícias da PF – apontou que é ‘fundamental’ ter acesso ao gravador.

A PF já recebeu os áudios da Operação Patmos, deflagrada na quinta-feira, 18. Os áudios foram feitos por Joesley e outros executivos do Grupo que fecharam acordo de delação premiada com a Procuradoria. Além de Temer, pegam diálogos com o deputado Rocha Loures (PMDB/PR) e o senador Aécio Neves (PSDB/MG), ambos sob suspeita de corrupção e afastados dos seus mandatos por ordem do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

Temer, alvo de inquérito no STF, alega que a gravação de sua conversa com Joesley foi editada e manipulada. Seu defensor, o criminalista Antônio Claudio Mariz de Oliveira, pediu suspensão do inquérito até que a perícia da PF seja realizada.

A PF já recebeu os quesitos apresentados pela Procuradoria-Geral da República e pela defesa de Temer para elaboração do laudo pericial.

“Em análise técnica preliminar, o Instituto Nacional de Criminalística apontou que é fundamental ter acesso ao equipamento que realizou as gravações originais. Por esse motivo, a PF oficiou à Procuradoria, solicitando o aparelho”, destacou a Polícia Federal, em nota divulgada neste domingo, 21.

A PF assinalou que ‘não há prazo inicial estipulado para conclusão dos trabalhos periciais, especialmente diante da necessidade apontada de perícia também no equipamento’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.