PF mira novos suspeitos pelo assassinato de Bruno e Dom

PF mira novos suspeitos pelo assassinato de Bruno e Dom

Restos mortais foram levados de avião para perícia em Brasília, que deve ser concluída em até dez dias; novas prisões são consideradas pelos investigadores, que continuam buscas por embarcação usada pelo indigenista e pelo jornalista

Rayssa Motta e Fausto Macedo

16 de junho de 2022 | 13h19

Principal suspeito confessou assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips. Foto: Wilton Júnior/Estadão

Com a confissão do principal suspeito pelo desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do repórter britânico Dom Phillips na região do Vale do Javari, no Amazonas, e a localização do que podem ser os restos mortais deles, a investigação do caso teve uma guinada em menos de 24 horas.

Os corpos foram transportados nesta quinta-feira, 16, de Manaus para Brasília, onde serão feitos os exames necessários para verificar a identidade e a causa da morte. Enquanto aguarda o resultado da perícia, que deve ser concluída dentro de dez dias, a Polícia Federal (PF) ampliou o rol de suspeitos de participação no assassinato.

Até o momento, estão presos Amarildo da Costa Oliveira, o Pelado, e o irmão dele, Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos. A corporação não descarta novas prisões.

A confissão implicou ao menos uma terceira pessoa. O Estadão apurou, no entanto, que há outros nomes sob suspeita.

A PF voltou ao local de buscas nesta quinta para tentar resgatar o barco usado pelo jornalista e o indigenista, que segundo Pelado foi afundado próximo ao ponto onde os corpos foram enterrados, em uma área de mata às margens do rio Itaguaí. A embarcação, no entanto, não foi encontrada.

Os policiais federais querem localizar a embarcação para analisar se há pistas sobre uma eventual perseguição a Dom e Bruno, como apontou uma testemunha ouvida na investigação. O relato foi o de que Pelado passou de barco em alta velocidade atrás dos dois.

O Vale do Javari conserva a segunda maior reserva indígena do País e concentra a maior parte dos indígenas isolados no mundo. A região na fronteira com o Peru e com a Colômbia é constantemente invadida por traficantes de drogas e armas, caçadores ilegais, madeireiros e garimpeiros. O superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Eduardo Alexandre Fontes, mantém as linhas de investigação sob sigilo. Ainda não está claro para os investigadores se o assassinato tem relação com a ação desses criminosos, em uma possível represália pela atuação de Bruno em nome dos direitos dos povos indígenas, ou se foi fruto de uma hostilidade de Pelado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.