PF mira grupo que planejava atentado contra PF

PF mira grupo que planejava atentado contra PF

No Rio Grande do Sul, Operação Praesidium, deflagrada nesta quinta, 22, busca neutralizar ofensiva do crime que teria como alvo policiais federais que prenderam mais de 100 por tráfico de drogas e confiscaram três toneladas de entorpecentes entre 2016 e 2019 no extremo sul do estado

Pepita Ortega e Fausto Macedo

22 de agosto de 2019 | 11h51

Acesso à Penitenciária de Rio Grande, onde a Polícia Federal cumpre mandados da Operação Praesidium. Foto: Google Maps

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta, 22, a Operação Praesidium, para desarticular grupo criminoso investigado por planejar atentado contra policiais federais que atuam na região.

Quatro mandados de busca e apreensão são cumpridos nos município de Santa Vitória do Palmar e dentro da Penitenciária de Rio Grande.

Segundo a PF, o nome da operação – Praesidium – corresponde à palavra latina que significa proteção e da qual também se originou a palavra presídio. A PF diz que o termo escolhido ‘remete à necessidade de proteção de todos os envolvidos no combate à criminalidade e ao compromisso institucional de proteger a integridade de seus servidores’.

Cerca de 30 policiais federais e agentes da Susepe (Superintendência dos Serviços Penitenciários) participam da ação.

A PF instaurou inquérito em julho após receber informações que indicavam ‘conluio entre um detento da Penitenciária de Rio Grande e pessoas de Santa Vitória do Palmar para cometer atentado contra a vida de policiais federais que atuam no combate ao tráfico de drogas’.

A ofensiva do grupo seria uma represália às ações da PF na região, como as operações ‘Anjos da Praia’ e ‘Strike’, que resultaram na prisão de mais de 100 investigados por tráfico de drogas e na apreensão de cerca de três toneladas de entorpecentes entre os anos de 2016 e 2019 no extremo sul do estado.

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: