PF marca interrogatório de Marcelo Odebrecht

PF marca interrogatório de Marcelo Odebrecht

Empreiteiro preso desde 19 de junho é alvo de inquérito da Lava Jato

Redação

14 de julho de 2015 | 09h04

Marcelo Odebrecht, quando foi preso pela Polícia Federal. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Marcelo Odebrecht, quando foi preso pela Polícia Federal. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Atualizada às 14h56

Por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

A Polícia Federal marcou o depoimento do presidente da Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, para a quinta-feira, 16, às 9h30. O empreiteiro foi preso preventivamente em 19 de junho na etapa Erga Omnes, da Operação Lava Jato.

marcelo-depoimento

Na semana passada, a força-tarefa da Lava Jato apresentou à Justiça Federal documentos que, segundo os procuradores da República que investigam o esquema de corrupção na Petrobrás, reforçam a necessidade de manutenção da prisão preventiva do empresário e do ex-diretor institucional da Braskem – petroquímica controlada pela Odebrecht em sociedade com a Petrobrás -, Alexandrino Alencar.

Uma delação premiada, de Rafael Ângulo Lopes, suposto carregador de malas de dinheiro do doleiro Alberto Youssef levou os investigadores a essas novas empresas supostamente usadas para pagamentos de propinas. O delator informou como o doleiro, peça central da Lava Jato, entregava dados de contas e recebia os comprovantes de depósitos no exterior supostamente feitos pela empreiteira Odebrecht e pela petroquímica Braskem (controlada pelo grupo), via ex-executivo Alexandrino Salles de Alencar.

A Odebrecht nega taxativamente envolvimento no esquema investigado pela Lava Jato e pagamento de propinas.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE ALEXANDRINO DE ALENCAR

“A defesa de Alexandrino Alencar esclarece que ele deixou a Braskem em 2007. Assumiu, então, nova função na Construtora Norberto Odebrecht, da qual se desligou em 22/6 para se dedicar integralmente à sua defesa.”

Tudo o que sabemos sobre:

Marcelo Odebrechtoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.