PF investiga venda de sentenças no Tocantins e põe desembargador na mira

PF investiga venda de sentenças no Tocantins e põe desembargador na mira

Ronaldo Eurípides, ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado, está sob suspeita da Operação Toth, deflagrada nesta quarta-feira, 15, por ordem do Superior Tribunal de Justiça

Fausto Macedo e Julia Affonso

15 de agosto de 2018 | 17h48

Foto: Reprodução/Sindicato dos Delegados da Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 15, a Operação Toth, investigação sobre suposto esquema de venda de sentenças na Justiça do Tocantins. O desembargador Ronaldo Eurípides, ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado, é alvo da Toth. Em nota, o Tribunal informou que ‘não irá se manifestar’ sobre a operação.

A PF cumpriu 13 mandados judiciais de buscas no Tocantins, Piauí e Goiás, além de 39 intimações.
Foram mobilizados 50 agentes federais para execução dos mandados em Palmas, Araguaína, Formoso de Araguaia e, ainda, em Teresina e em Mara Rosa (GO).

O desembargador é investigado porque teria dado habeas corpus em favor do proprietário de um posto de combustível, sob suspeita de mandar matar um empresário em Porto Nacional (TO), em 2016.

Eurípides foi intimado para depor na PF. Sua residência, seu gabinete na Corte e uma fazenda também de sua propriedade foram vasculhadas por agentes federais.

A Operação Toth investiga corrupção ativa, corrupção passiva, concussão, associação criminosa e lavagem de dinheiro.Toth faz alusão ao deus grego marido da deusa egípcia da justiça Maet.

COM A PALAVRA, O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO TOCANTINS
“O Tribunal de Justiça do Tocantins não irá se manifestar a respeito do assunto.”

COM A PALAVRA, O DESEMBARGADOR
A reportagem tentou contato com o desembargador Ronaldo Eurípides, via Centro de Comunicação Social do Tribunal de Justiça do Tocantins. O espaço está aberto para manifestação.

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia FederalTocantins

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.