PF investiga fraudes e propinas de R$ 900 mil em obras do esgoto no Paraná

PF investiga fraudes e propinas de R$ 900 mil em obras do esgoto no Paraná

Operação Águas Claras deflagrada nesta sexta, 13, faz buscas em oito endereços de Curitiba e Cascavel para apurar crimes envolvendo pessoas ligadas à Companhia de Saneamento do Estado

Pepita Ortega

13 de dezembro de 2019 | 10h57

Atualizada às 12h39 com posicionamento da Sanepar*

Dinheiro apreendido durante a Operação Águas Claras na manhã desta sexta, 13. Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal desencadeou na manhã desta sexta, 13, a Operação Águas Claras, para investigar supostas fraudes em licitações de obras de esgoto  realizadas em municípios de todo o Paraná e o pagamento de propinas envolvendo a Companhia de Saneamento do Estado. Segundo a corporação, os crimes teriam sido cometidos entre 2001 e 2016 e não tem relação com a atual administração da empresa.

Agentes cumprem oito mandados de busca e apreensão nas cidades de Curitiba (6) e Cascavel (2). A ordens foram expedidas pela 9ª Vara Federal de Curitiba. Seis pessoas seriam os alvos das medidas, entre elas ex-funcionários da Sanepar e empresários.

Segundo a PF, a investigação teve como base provas apreendidas durante a Operação Pecúlio, desencadeada inicialmente em abril de 2016 para desarticular um grupo que supostamente praticou crimes contra a Administração Pública em Foz do Iguaçu.

A PF informou que uma das linhas da investigação apura fraudes em licitações de obras de esgoto sanitário, com o favorecimento de uma empresa cujos representantes teriam pago propina de R$ 700 mil a um funcionário aposentado da Sanepar.

A companhia seria da região oeste e chegou contratos de cerca de R$ 50 milhões com a administração pública. A PF destacou, no entanto, que a investigação não apua irregularidades na execução dos serviços mas sim o pagamento de vantagens indevidas como forma de obter essas contratações.

Outra vertente do inquérito mira o suposto pagamentos de propina de R$ 200 mil, pela mesma empresa, que teria sido dissimulado como investimento em publicidade e patrocínio.

Materiais apreendidos durante a Operação Águas Claras na manhã desta sexta, 13. Foto: Polícia Federal

Materiais apreendidos durante a Operação Águas Claras na manhã desta sexta, 13. Foto: Polícia Federal

COM A PALAVRA, A COMPANHIA DE SANEAMENTO DO PARANÁ

“Em relação à Operação Águas Claras, deflagrada nesta sexta-feira (13), pela Polícia Federal, a Sanepar informa que está à disposição da Autoridade Policial para qualquer esclarecimento e/ou informação que seja necessária para o deslinde dos fatos ocorridos no período compreendido entre 2011 e 2016.

Importante ressaltar que a atual gestão da Companhia não compactua com qualquer ato de corrupção.

Diante disso, em respeito à população paranaense, a Sanepar informa que tomará todas as providências para apurar, internamente, os fatos e possíveis condutas envolvendo empregados e fornecedores, e que não medirá esforços na colaboração para a apuração e resolução da investigação conduzida pela Polícia Federal.”

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia FederalesgotoParaná [estado]

Tendências: