PF investiga falsos médicos

PF investiga falsos médicos

Alvos da Operação Tumi são dois irmãos que, embora não tenham completado o curso superior de graduação em Medicina, teriam obtido inscrição para o exercício da profissão mediante apresentação de diplomas falsos no interior de São Paulo

Julia Affonso e Fausto Macedo

19 de julho de 2016 | 13h58

Federais pedem em documento uma nova estrutura organizacional para a corporação. FOTO: ANTÔNIO MORE/AG. DE NOTÍCIAS GAZETA DO POVO

Foto: ANTÔNIO MORE/AG. DE NOTÍCIAS GAZETA DO POVO

A Polícia Federal investiga falsos médicos na Operação Tumi, deflagrada no interior de São Paulo manhã desta terça-feira, 19. A ação combate crimes de falsidade documental, uso de documento falso e exercício ilegal de medicina.

Segundo a Federal, os investigados são dois irmãos que, embora não tenham completado o curso superior de graduação em Medicina, teriam obtido a inscrição para o exercício da profissão, mediante apresentação de diplomas falsos perante o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), os quais apontavam como especialidade a cirurgia médica.

A PF aponta que os falsos médicos atuavam desde 2012 na região de Avaré, no interior paulista, atendendo em hospitais públicos e no Samu – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência.

Os diplomas falsos, de acordo com a Federal, foram supostamente emitidos por universidade privada localizada na Bolívia e revalidados no Brasil, para a posterior apresentação junto ao Conselho Regional de Medicina, ‘visando a obtenção fraudulenta de autorização para exercer a profissão médica’.

A falsidade dos documentos foi confirmada pela Justiça boliviana, por meio de pedido de cooperação jurídica internacional, aponta a PF.

As penas para os crimes investigados variam de seis meses a seis anos de reclusão e multa.

Tumis eram facas que possuíam o formato da letra “T”, um símbolo do Deus da medicina inca, utilizadas em diversos tipos de intervenções cirúrgicas, como por exemplo aquelas a fim de retirar ossos fraturados, pedaços de metal ou restos de armas dos crânios dos guerreiros feridos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.