PF investiga em Roraima desvio de RS 12 milhões via emendas do ex-deputado ‘Abel Galinha’

PF investiga em Roraima desvio de RS 12 milhões via emendas do ex-deputado ‘Abel Galinha’

Operação 'Suserano', nessa terça-feira, 24, faz buscas em dez endereços de Boa Vista e Brasília; investigação mostra que Abel Mesquita Jr, atual presidente do DEM de Roraima, agia como 'dono das verbas públicas'

Breno Pires e Wesley Gonsalves

24 de agosto de 2021 | 14h26

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 24, a operação “Suserano”, que apura supostas fraudes na destinação de R$ 12 milhões em emendas parlamentares do ex-deputado federal e presidente do DEM em Roraima, Abel Mesquita Jr, conhecido como ‘Abel Galinha’.

O ex-deputado Abel Mesquita Jr., presidente do DEM em Roraima. Foto: Lúcio Bernardo Jr./ Agência Câmara de Notícias

As investigações são um desdobramento da  segunda etapa da operação Godfather, deflagrada em outubro de 2020, que apurava supostas ilegalidades em contratos da Secretaria de Saúde de Roraima, entre agosto de 2017 e abril de 2019.

Ao todo, foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão na capital Boa Vista e em Brasília, seguindo a determinação da 4ª Vara Federal Criminal em Roraima, que atendeu a um pedido da Polícia Federal e à manifestação da Procuradoria Regional da República sobre o caso.

Segundo a PF, pelo menos seis convênios foram assinados com quatro empresas para a realização de obras e serviços em cidades do interior de Roraima, totalizando um investimento público no valor de R$ 11,9 milhões.

As investigações apontam que mesmo depois de cumprir seu mandato no legislativo, o ex-deputado continuava participando do esquema criminoso de desvio de verbas públicas, ao se beneficiar de emendas parlamentares destinadas por ele mesmo, que acabavam financiando empresas ligadas ao seu círculo pessoal e familiar. “Agia como se fosse o dono das verbas públicas envolvidas, incluindo seu genro e o tesoureiro regional do partido cujo diretório é por ele presidido”, acusa o órgão. Segundo fonte na PF, mais de R$ 575 mil em espécie foram apreendidos na casa do genro do ex-deputado.

Para os investigadores da operação Suserano, a baixa quantidade de funcionários das empresas contratadas nos convênios e inexistência de realização de outros serviços que não fossem prestado exclusivamente para órgãos públicos levantaram suspeitas sobre a licitude dos convênios firmados.

COM A PALAVRA, O EX-DEPUTADO

A reportagem busca contato com o ex-deputado Abel Mesquita Jr. O espaço está aberto para manifestações.

COM A PALAVRA, O ESTADO DE RORAIMA

O Governo de Roraima informa que não foi comunicado oficialmente sobre o teor da Operação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.