PF investiga corrupção no Tribunal de Justiça de Alagoas e faz buscas em gabinete de desembargador

PF investiga corrupção no Tribunal de Justiça de Alagoas e faz buscas em gabinete de desembargador

Operação ‘Pecunia non olet’ cumpre 15 mandados de busca e apreensão em endereços de Alagoas e Pará; entre os alvos está o desembargador Celyrio Adamastor Tenório Accioly

Pepita Ortega e Fausto Macedo

04 de novembro de 2021 | 09h23

TJ-AL. Foto: Google Street View/Reprodução

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 4, uma operação que mira supostos crimes de corrupção e advocacia administrativa praticados por integrantes do Poder Judiciário do Estado de Alagoas. Batizada de ‘Pecunia non olet’, a ofensiva tem entre seus alvos o desembargador Celyrio Adamastor Tenório Accioly, que já foi vice-presidente da corte alagoana.

Agentes cumprem, ao todo, 15 mandados de busca e apreensão em endereços de Alagoas e Pará. Além de Accioly, a operação mira um juiz, advogados e empresários.

A suspeita dos investigadores é a de que os ‘servidores e advogados intermediaram o retardamento de julgamento e proferimento de decisões favoráveis no interesse de uma empresa do ramo da Educação’. Como contrapartida, teria havido o pagamento de gastos de um magistrado.

COM A PALAVRA, O DESEMBARGADOR

A reportagem busca contato com o magistrado. O espaço está aberto para manifestações.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.