PF investiga BRT de R$ 260 milhões em Palmas (TO) e prefeito é alvo de condução

PF investiga BRT de R$ 260 milhões em Palmas (TO) e prefeito é alvo de condução

São cumpridos 22 mandados judiciais, sendo 10 de condução coercitiva e 12 de buscas e apreensão nos estados de Tocantins, Paraná e Santa Catarina

Julia Affonso e Fausto Macedo

10 de novembro de 2016 | 10h21

Foto: PF

Foto: PF

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 10, a Operação Nosostros contra um suposto esquema de fraude envolvendo o processo de licitação para construção do sistema de transporte BRT de Palmas no valor aproximado de R$ 260 milhões. O prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB), é alvo da operação.

Segundo a Federal, estão sendo cumprido 22 mandados judiciais, sendo 10 de condução coercitiva e 12 de buscas e apreensão nos estados de Tocantins, Paraná e Santa Catarina.

“Entre as pessoas conduzidas estão o prefeito de Palmas/TO, o secretário municipal de Finanças e o Procurador Geral do Município, além de donos de imobiliárias e donos de terras. Servidores públicos também serão intimados a prestarem esclarecimentos”, afirma nota da PF.

Twitter de Carlos Amastha. Foto: Reprodução

Twitter de Carlos Amastha. Foto: Reprodução

A Federal informou que identificou o repasse de informações privilegiadas da prefeitura a empresas que participaram da concorrência. A implantação do sistema BRT valorizaria os imóveis que o grupo tivesse posse após a obra.

“Em conluio com grandes imobiliárias da região, agentes públicos também pressionavam proprietários para que cedessem, a título gratuito, parte de suas terras para pessoas ligadas ao esquema criminoso. Uma das formas de coação era através da cobrança de altos valores de IPTU desses proprietários”, diz a nota.

A assessoria da Prefeitura de Palmas informou que Carlos Amastha está a caminho de Barcelona. Segundo a nota do Executivo, Carlos Amastha vai participar do Smart City Expo & World Congress, entre 15 e 17 de novembro, sobre cidades inteligentes, sustentabilidade e tecnologia.

COM A PALAVRA, A PREFEITURA DE PALMAS

A Prefeitura de Palmas esclarece que está junto à Polícia Federa buscando informações sobre a operação e colaborando com as investigações. Em princípio, sabe-se que se trata de uma denúncia de um grande devedor de IPTU (Imposto Territorial e Predial Urbano), que é grande latifundiário e que supostamente estaria sofrendo alguma pressão de agentes públicos para ceder essa área a qual ele é proprietário e cujo valor do IPTU cobrado é proporcional a área que ele possui.

O prefeito Carlos Amastha está em viagem à Barcelona (Espanha) onde participará do Smart City Expo & World Congress. Amastha está absolutamente tranqüilo sobre o assunto e assim que voltar dessa viagem institucional irá prestar todos os esclarecimentos.

Tudo o que sabemos sobre:

PalmasTocantinsOperação Nosostros

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.