PF investiga grupo que usava documentos falsos e se passava por ‘juiz federal’

PF investiga grupo que usava documentos falsos e se passava por ‘juiz federal’

Operação Nascostos se espalha por quatro Estados e DF e rastreia esquema de uso de documentos falsos, inclusive cartões de créditos clonados para compra de passagens aéreas

Julia Affonso e Paulo Roberto Netto

21 Novembro 2018 | 11h18

Foto: Reprodução/Sindicato dos Delegados da Polícia Federal

A Polícia Federal abriu nesta quarta-feira, 21, a Operação Nascostos em 3 Estados. A investigação mira crimes de estelionato, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa com associação para o tráfico de entorpecentes.

Segundo a PF, ‘criminosos, fazendo-se passar por magistrado federal e se utilizando de documentos falsos (inclusive, cartões de crédito “clonados”) de outras vítimas, compravam passagens aéreas para terceiros por rotas atípicas, em detrimento da imagem da Justiça Federal’.

Os agentes cumprem cinco mandados de prisão preventiva, nove de prisão temporária, 27 de busca e apreensão e 8 de sequestro e bloqueio de bens. Também estão sendo ouvidas pessoas nos Estados do Acre, Paraná, do Rio de Janeiro, no DF e em municípios de São Paulo.

A investigação começou em 2017, na Delegacia de Polícia Federal em Sorocaba/SP.

“Em razão de outros dados obtidos, foi possível apurar a existência de uma organização criminosa com bases em São Paulo, Campo Grande e Cuiabá com atuação em âmbito nacional e internacional”, informou a PF.

Os investigadores apontam indícios de que o esquema esteja ‘coligado e/ou ser uma célula integrante de alguma das facções criminosas conhecidas do público em geral’.

“Essa organização mediante procedimentos fraudulentos, também, alugava veículos e não os devolvia às locadoras, comprava passagens aéreas para pessoas cooptadas, fazia reserva de hotéis e realizava financiamentos”, relata a PF.

“Alguns dos beneficiários das passagens e locação de veículos foram presos por tráfico de entorpecentes. Imprescindível destacar, ainda, que vários membros dessa organização criminosa também respondem por crimes de homicídio e tráfico de entorpecentes e há indícios de transações financeiras internacionais.”

O nome da operação significa “ocultos” no idioma italiano e faz alusão ao modus operandi utilizado pelo esquema para o cometimento dos estelionatos, pois, sempre se utilizavam de documentos falsos em redes sociais e sites da internet, objetivando ocultar as verdadeiras identidades de seus integrantes.

Mais conteúdo sobre:

Polícia Federal