PF intima 110, faz buscas e quebra sigilos em inquérito de corrupção em MS

PF intima 110, faz buscas e quebra sigilos em inquérito de corrupção em MS

Segunda fase da Operação Vostok, decretada pelo Superior Tribunal de Justiça, quebra sigilos telefônico e bancário de investigados delatados por executivos de empresas do setor de alimentos que receberam benefícios fiscais entre 2015 e 2016 em Mato Grosso do Sul

Pepita Ortega e Fausto Macedo/SÃO PAULO

03 de setembro de 2019 | 12h09

Foto: PF

A Polícia Federal intimou 110 pessoas para prestarem depoimento em inquérito da segunda fase da Operação Vostok – investigação sobre concessão de benefícios fiscais a empresas instaladas em Mato Grosso do Sul, entre 2015 e 2016. Nesta terça, 3, a PF deflagrou a nova etapa da Vostok.

Na primeira fase da operação, em setembro de 2018, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) foi alvo de buscas. Seu filho, Rodrigo, e o deputado estadual José Roberto Teixeira (DEM), o ‘Zé Teixeira’, foram detidos e, depois, soltos.

Na ocasião, Azambuja rechaçou com veemência as suspeitas sobre sua gestão. Ele se colocou à disposição da Justiça.

Segundo a PF, a ação desta terça, 3, ‘é um esforço coordenado para a realização de diligências relacionadas às medidas cautelares de busca e apreensão, afastamento de sigilos telefônicos e bancários decretados pelo ministro relator (Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça)’.

Entre os 110 intimados há testemunhas e investigados. Todos serão ouvidos em delegacias da PF de São Paulo, Paraná, Ceará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

A maior parte das oitivas está sendo realizada na cidade de Campo Grande.

A PF informou que a investigação teve origem no acordo de delação premiada dos executivos de conglomerado de empresas com forte atuação no ramo de alimentos e apura um suposto esquema de corrupção na concessão de benefícios fiscais pelo governo do estado de Mato Grosso do Sul nos anos de 2015 e 2016.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.