PF indicia Paulo Bernardo por organização criminosa e corrupção

PF indicia Paulo Bernardo por organização criminosa e corrupção

Ex-ministro dos governos Lula e Dilma, alvo da Operação Custo Brasil, é suspeito de ter recebido propinas de R$ 7,1 milhões; ele nega

Fausto Macedo e, Julia Affonso

26 de julho de 2016 | 18h33

Paulo Bernardo é ex-ministro do Planejamento (Governo Lula) e das Comunicações (Governo DIlma). Foto: JF Diorio/Estadão

Paulo Bernardo é ex-ministro do Planejamento (Governo Lula) e das

A Polícia Federal indiciou criminalmente o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento/Governo Lula) na Operação Custo Brasil – investigação sobre suposto desvio de R$ 100 milhões de empréstimos consignados no âmbito do Planejamento, entre 2010 e 2015. A PF enquadrou Paulo Bernardo por integrar organização criminosa e corrupção passiva.

O inquérito da Custo Brasil foi relatado pela PF na sexta-feira, 22, e enviado à Justiça Federal. Agora, o Ministério Público Federal vai analisar o inquérito para denunciar ou não o ex-ministro e outros envolvidos na Custo Brasil, entre eles o ex-tesoureiro do PT, Paulo Ferreira.

Paulo Bernardo foi preso na Operação Custo Brasil no dia 23 de junho, sob suspeita de recebimento de propinas de R$ 7,1 milhões do esquema Consist, empresa de software contratada em sua gestão em 2010 para administrar contratos de consignados com entidades de bancos e previdência – Associação Brasileira de Bancos Comerciais e para o Sindicato das Entidades de Previdência Privada. A Consist teria cobrado uma taxa em valor quatro vezes superior ao de mercado.

A Custo Brasil é um desdobramento da Pixuleco II que, em agosto de 2015, descobriu o esquema dos consignados. Um dos alvos da Pixuleco II, o advogado Alexandre Romano, o Chambinho, fez delação premiada e revelou os bastidores do caso Consist.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR), mulher de Paulo Bernardo, é investigada no Supremo Tribunal Federal com base na delação do doleiro Alberto Yousseff. Segundo ele, em 2010, o esquema de propinas na Petrobrás teria abastecido com R$ 1 milhão a campanha da petista ao Senado.

A Custo Brasil prendeu também o advogado Guilherme Gonçalves, de Curitiba, que teria realizado repasses do esquema Consist para o ex-ministro e para bancar despesas eleitorais de Gleisi. Gonçalves nega elo com o esquema.

Seis dias depois de sua prisão – decretada pelo juiz Paulo Bueno de Azevedo, da 6.ª Vara Criminal Federal em São Paulo -, o ex-ministro de Lula e também de Dilma (Comunicações) foi solto por ordem do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal.

Na semana passada, Paulo Bernardo foi ouvido na PF e negou ter recebido propinas do esquema dos consignados. Ele afirma que não existe contrato da Consist com o Ministério que dirigiu. “O Ministério do Planejamento nunca contratou a Consist.”

Foram indiciadas 22 pessoas, pelos crimes:
– integrar organização criminosa (18 pessoas indiciadas),
– corrupção ativa (8 pessoas indiciadas),
– corrupção passiva (3 pessoas indiciadas),
– tráfico de influência (5 pessoas indiciadas),
– lavagem de dinheiro (13 pessoas indiciadas).

COM A PALAVRA, A CRIMINALISTA VERÔNICA ABDALLA STERMAN, DEFENSORA DE PAULO BERNARDO

Em nota, a advogada Verônica Abdalla Sterman afirmou.

” O ex-ministro Paulo Bernardo reitera que não participou ou teve qualquer ingerência na celebração ou manutenção do acordo de cooperação técnica celebrado autonomamente entre a Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e as associações de Bancos e Previdência (ABBC e SINAPP). Também reitera que não recebeu qualquer quantia da Consist, direta ou indiretamente.”

Tudo o que sabemos sobre:

Operação Custo BrasilPaulo Bernardo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.