PF indicia 4 ex-deputados em inquéritos da Lava Jato

PF indicia 4 ex-deputados em inquéritos da Lava Jato

André Vargas (sem partido-PR), Pedro Corrêa (PP-PE), sua filha Aline Corrêa (PP-PE) e Luiz Argôlo (SD-BA) e mais 26 investigados na 11ª fase da operação foram enquadrados por corrupção, fraude a licitações, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Redação

11 de maio de 2015 | 15h55

André Vargas foi preso nesta sexta-feira. Foto: AlbariI Rosa/AGP

André Vargas está preso no Paraná. Foto: Albaril Rosa/AGP

Atualizada às 19h57

Por Andreza Matais, Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

A Polícia Federal concluiu sete inquéritos que apuram a responsabilidade criminal de quatro ex-parlamentares, três dos quais presos na 11.ª fase da Operação Lava Jato – Luiz Argôlo (SD/BA), Pedro Corrêa (PP/PE) e André Vargas (sem partido/PR). Os três e Aline Corrêa (PP-PE), filha de Pedro Corrêa, foram indiciados.

Segundo a PF, os ex-parlamentares foram indiciados por corrupção, fraude a licitações, lavagem de dinheiro, organização criminosa e outros delitos. Ao todo, trinta investigados foram indiciados. Em alguns casos houve investigados que foram indiciados em mais de um procedimento.

Vargas foi preso em 10 de abril, na Operação A Origem – 11 ª fase da Lava Jato. Segundo a força-tarefa, a agência de publicidade BorghiLowe Propaganda e Marketing Ltda, que administra contas publicitárias de órgãos como a Caixa Econômica Federal e o Ministério da Saúde, teria contratado serviços de seis outras empresas para a realização de serviços de publicidade para o banco estatal e o ministério, e as orientado a realizar pagamentos de comissões de bônus de volume nas contas das empresas Limiar e LSI controladas por André Vargas e seus irmãos.

Ele também está sob suspeita por lavagem de dinheiro na compra da própria casa em Londrina, no interior do Paraná. O imóvel foi sequestrado por ordem do juiz federal Sérgio Moro. Vargas declarou a compra do imóvel por R$ 500 mil, segundo consta da escritura. Mas o vendedor, em sua declaração de rendimentos, declarou o negócio por R$ 980 mil, “preço integralmente recebido em 2011″.

O ex-parlamentar é investigado ainda pelo repasse de R$ 2.399.511,60, em espécie, do doleiro Alberto Youssef, personagem central do esquema de corrupção na Petrobrás, para o ex-deputado. Seu envolvimento com o doleiro levou Vargas a ter o mandato cassado em dezembro do ano passado e também ser expulso do PT.

Segundo o decreto de prisão de Pedro Corrêa, ele teria recebido propinas do esquema de corrupção na Petrobrás mesmo quando estava sob julgamento no Supremo Tribunal Federal no processo do mensalão. Seu mandato foi cassado pela Câmara dos Deputados em 15 de março de 2006 no âmbito do mensalão.

O ex-deputado Luiz Argôlo teria recebido ao menos R$ 1,2 milhão do doleiro Alberto Youssef. Segundo as investigações da Polícia Federal, ele chegou ainda a ser sócio do doleiro na empresa Malga Engenharia. O próprio doleiro, em sua delação, afirmou que fez repasses a Argôlo desde quando o conheceu, em 2011. Segundo a Procuradoria da República, o ex-parlamentar teria recebido bens, propina e teria tido contas pagas pelo doleiro.

____________________________________

VEJA TAMBÉM:

André Vargas e irmãos foram 28 vezes a escritório de doleiro

Mulher de André Vargas diz que casa de R$ 1,3 mi foi paga com ‘economia familiar’

Moro diz que ministério omitiu encontro de Vargas, doleiro e ex-ministro Padilha

Quebra de sigilo mostra pagamento de R$ 200 mil da JBS a empresa de fachada de Vargas

____________________________________