PF decide indiciar 23 por desvios de recursos da UFSC

PF decide indiciar 23 por desvios de recursos da UFSC

Relatório parcial decorrente da Operação Ouvidos Moucos tipificou professores e funcionários da instituição que supostamente agiam no esquema; as informações foram divulgadas pelo 'Diário Catarinense' e confirmadas pelo 'Estadão'

Redação

25 de abril de 2018 | 09h59

UFSC. Foto: UFSC

Texto atualizado às 20h45

A Polícia Federal decidiu indiciar 23 investigados por desvios de verbas em cursos de Educação a Distância (EaD) na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Decorrente da Operação Ouvidos Moucos, a investigação concluiu que professores e funcionários da instituição agiam no esquema. Eles devem ser indiciados por concussão, peculato, lavagem de dinheiro, organização criminosa, violação de sigilo funcional, falsidade ideológica, além de outras tipificações.

+ Suicídio de reitor põe PF sob suspeita

As informações foram divulgadas pelo Diário Catarinense nesta quarta-feira, 25, e confirmadas pelo Estado.

A Ouvidos Moucos caiu em uma grande polêmica depois que o ex reitor da universidade Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que chegou a ser preso por suspeitas de participação no esquema, se suicidou em um shopping de Florianópolis.

+ Reitor tentou barrar investigação na UFSC, diz PF

O relatório parcial do inquérito, produzido pelo delegado Nelson Napp em 18 de abril, indica a tipificação das condutas criminosas atribuídas aos 23 investigados. Após concluir o inquérito, o que deverá ocorrer nos próximos dias, o relatório final da Operação Ouvidos Moucos, a peça será encaminhada ao Ministério Público Federal (MPF), que decidirá se denuncia ou não os indiciados pela PF.

O documento não indica o montante que teria sido desviado da UFSC.

A operação foi deflagrada há sete meses e tinha como foco repasses oferecidos pelo programa Universidade Aberta do Brasil – UAB na UFSC que totalizam cerca de R$ 80 milhões.

COM A PALAVRA, A UFSC

O chefe de gabinete da reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Áureo Moraes, afirmou ao Estado que a universidade não recebeu nenhuma notificação oficial e que a única informação que eles têm foi divulgada pela imprensa, de forma oficiosa. Ele ressaltou a necessidade de se dar um tratamento institucional ao caso por parte da Polícia Federal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.