PF faz prisões e buscas na fronteira com a Argentina contra grupo que girava R$ 2 milhões por mês no câmbio paralelo

PF faz prisões e buscas na fronteira com a Argentina contra grupo que girava R$ 2 milhões por mês no câmbio paralelo

Operação Peculium envolve cumprimento de 60 ordens judiciais no município de São Borja (RS), inclusive para prender seis investigados

Redação

23 de novembro de 2021 | 12h41

Operação Peculium mira mercado de câmbio ilegal da fronteira com a Argentina. Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal abriu nesta terça-feira, 23, a Operação Peculium contra uma organização criminosa suspeita de movimentar R$ 2 milhões por mês em operações ilegais de câmbio na fronteira com a Argentina.

Ao todo, 70 policiais federais cumprem 60 ordens judiciais no município de São Borja, na divisa do Rio Grande do Sul com o país vizinho. A Justiça Federal deu sinal verde para 15 mandados de busca e apreensão, seis mandados de prisão, sequestro de 14 veículos, 11 imóveis e bloqueio de até R$ 21 milhões em contas bancárias vinculadas a 13 investigados e empresas. Também foram determinadas 14 medidas cautelares, como monitoramento por tornozeleira eletrônica, retenção de passaporte e apresentação periódica em juízo.

A investigação teve início no ano passado a partir da apreensão de 35 mil dólares com uma passageira na BR-285, na região de São Borja. A apuração levantou a suspeita sobre a existência da organização criminosa.

Até o momento, a PF identificou o uso de doleiros e fornecedores do exterior para internalizar pesos argentinos e dólares americanos no Brasil. Após ingressarem no País, as moedas estrangeiras seriam comercializadas irregularmente, principalmente para empresas de transporte rodoviário de cargas. O último passo do suposto esquema seria dissimular a origem dos recursos através de ‘complexo esquema de lavagem de dinheiro’, segundo a Polícia Federal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.