PF faz operação contra fraudes na compra de remédios de alto custo

PF faz operação contra fraudes na compra de remédios de alto custo

Investigação em parceria com a Controladoria-Geral da União investiga ainda se houve envolvimento de dirigentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em possíveis atos de corrupção no período entre 2015 e 2018

Redação

30 de novembro de 2021 | 09h49

Atualizada às 14h*

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 30, a Operação Rarus contra supostas fraudes envolvendo a entrega de medicamentos de alto custo comprados com dinheiro público para pessoas portadoras de doenças raras após decisões judiciais.

Agentes cumprem oito mandados de busca em São Paulo e no Distrito Federal expedidos pela 12ª Vara Federal Criminal de Brasília. A ofensivas miras possíveis crimes de corrupção e violação de sigilo funcional.

De acordo com a PF, as investigações apontam que, entre 2015 e 2018, as ações judiciais eram ‘patrocinadas por uma indústria farmacêutica que se valia de uma associação de pacientes para induzir médicos a prescreverem os seus produtos’.

Os investigadores apuram também se há pacientes que não possuíam a indicação médica para o uso de tais medicamentos e se houve envolvimento de dirigentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em possíveis atos de corrupção.

As apurações contaram com o apoio da Controladoria-Geral da União.

COM A PALAVRA, A ANVISA

Em nota, a Anvisa informou que nenhum dos cinco diretores da Agência – Antonio Barra Torres, Meiruze de Souza Freitas, Rômison Rodrigues Mota, Cristiane Rose Jourdan Gomes e Alex Machado Campos –  recebeu qualquer tipo de contato ou interpelação pela Polícia Federal. O órgão indicou ainda que não houve buscas na sede da Anvisa, em Brasília.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.