PF faz buscas na Novacap

PF faz buscas na Novacap

Agentes federais cumpriram mandado expedido pelo juiz Vallisney Oliveira, da 10.ª Vara Federal de Brasília, em desdobramento da Operação Panatenaico, que investiga fraudes e desvios de quase R$ 1 bi na reforma do Estádio Mané Garrincha para a Copa 2014

Fábio Serapião, Julia Affonso e Luiz Vassallo

01 de junho de 2017 | 17h42

Estádio Mané Garrincha. Foto: André Dusek/Estadão

A Polícia Federal cumpriu nesta quinta-feira, 31, mandado de buscas na sede da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), em Brasília, no âmbito da Operação Panatenaico – investigação sobre fraudes e desvios de quase R$ 1 bilhão nas obras de reforma do Estádio Mané Garrincha para a Copa 2014.

Documento

A ação foi deflagrada por ordem do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara Federal de Brasília. Ele acolheu pedido da PF, endossado pela Procuradoria da República. Além da sede da Novacap foram alvo do desdobramento da Panatenaico o ex-presidente da Novacap Nilson Martorelli e a engenheira Maruska Lima de Souza Holanda, ex-diretora de Obras da companhia.

A Panatenaico foi desencadeada inicialmente no dia 23 e prendeu em regime temporário o então assessor do presidente Michel Temer, Tadeu Filippelli, e os ex-governadores do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR) e Agnelo Queiroz (PC do B), todos suspeitos de beneficiários de propinas – o que é negado por seus defensores.

Na fase desta quinta, 31, o alvo é a Novacap. O juiz Vallisney orientou a PF a ‘apreender bens, valores e documentos relacionados à execução e produtos dos referidos crimes, bem como computadores, telefones celulares, notebooks, hard disc (HD), pen- drives, cds, dvds e quaisquer outras mídias de armazenamento, além de qualquer elemento que constitua prova da prática de outro crime’.

O magistrado autorizou, ainda, a ‘extração de dados, mensagens e e-mails dos alvos in loco, Novacap, bem como a quebra do sigilo dos aqruivos de HDs, CDs, DVDs, disquetes, telefones celulares, pen drives e outros meios de gravação magnética apreendidos’.

Em sua decisão, Vallisney destacou que um executivo ligado à empreiteira Andrade Gutierrez, Rodrigo Leite Vieira, revelou que Martorelli e Maruska teriam recebido propina durante os aditamentos contratuais da reforma do Mané – a obra foi orçada, inicialmente, em R$ 600 milhões e acabou custando R$ 1,57 bilhão.

Martorelli e Maruska já haviam sido alvo da Panatenaico. A missão deflagrada nesta quinta, 31, abrangeu buscas nas salas por ambos ocupadas quando atuavam na Novacap.

COM A PALAVRA, A NOVACAP
“A Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) confirma a presença de agentes da Polícia Federal em sua sede na manhã desta quinta-feira (1º) para recolhimento de dados necessários às investigações da Operação Panatenaico.”
“A Novacap informa que sempre colaborou e continuará colaborando com a Justiça no que for solicitada.”

Tendências: