PF faz buscas na casa de ex-comandante da PM de Minas no governo Pimentel por obstrução de Justiça

PF faz buscas na casa de ex-comandante da PM de Minas no governo Pimentel por obstrução de Justiça

Coronel Helbert Figueiró, hoje na reserva, teria 'monitorado' trabalhos dos agentes federais na Operação Acrônimo, que tem o ex-governador petista como principal alvo

Leonardo Augusto, Especial para O Estado de São Paulo

24 de junho de 2020 | 13h28

A Polícia Federal cumpriu na manhã desta quarta-feira, 24, em Belo Horizonte mandado de busca e apreensão na casa do ex-comandante da Polícia Militar de Minas Gerais no governo de Fernando Pimentel (PT), coronel reformado Helbert Figueiró. O ex-chefe da PM do Estado é suspeito de tentativa de obstrução de Justiça durante apurações da PF no âmbito da Operação Acrônimo, cuja primeira fase foi deflagrada em 29 de maio de 2015, e que tem Pimentel como um dos investigados.

Segundo a Polícia Federal, as buscas de hoje ocorreram depois de terem sido identificadas, em abril deste ano, ‘suspeitas de obstrução de Justiça após se confirmar que os investigados estavam monitorando os trabalhos da Polícia Federal’. A PF não cita o período exato em que os suposto acompanhamento das investigações ocorria, se ao longo do governo Pimentel, encerrado em 2018, ou em outra época. O ex-governador não é alvo da operação de hoje, batizada de Hangar. Figueiró assumiu o comando da PM em Minas em 30 de janeiro de 2017. Nas buscas foram apreendidos três telefones celulares e um computador.

Helbert Figueiró. Foto: Reprodução / Polícia Militar de Minas Gerais

A Acrônimo apura supostas irregularidades no financiamento de campanhas eleitorais em 2014, quando Pimentel foi eleito para o governo do Estado. Em nota, a Polícia Militar de Minas Gerais afirma que ‘tomou conhecimento, por meio da mídia, da operação da Polícia Federal envolvendo um coronel veterano da instituição’. Ainda segundo a PM, a corporação “não foi comunicada oficialmente pela Polícia Federal sobre o fato”.

A reportagem tenta contato com o coronel reformado e também com o ex-governador Pimentel. A pena para tentativa de obstrução de Justiça pode chegar a oito anos de prisão conforme a Polícia Federal.

COM A PALAVRA, FERNANDO PIMENTEL

“Não posso comentar nada sobre essa investigação, porque desconheço totalmente o teor da mesma. Só posso dizer que nunca recebi ‘informações privilegiadas’, de quem quer que seja, sobre assuntos da Polícia Federal”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.