PF eleva nível de segurança de Bolsonaro e escala dois delegados para coordenação

PF eleva nível de segurança de Bolsonaro e escala dois delegados para coordenação

Presidente eleito passa a seguir protocolo de segurança número 5 que é dispensado para chefes de Estado

Fabio Serapião/BRASÍLIA

29 de outubro de 2018 | 18h08

Jair Bolsonaro. Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino

A Polícia Federal definiu a nova equipe de segurança que vai atuar na proteção do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). A partir de agora, a proteção ao futuro presidente passa a seguir o protocolo de segurança número 5 que é dispensado para chefes de Estado. A equipe de segurança formada por 55 policiais federais, com possibilidade de ser aumentada caso seja necessário, também atuará na proteção da família de Bolsonaro, em sua residência e no gabinete de transição.

A partir desta segunda-feira, 29, até o dia 1 de janeiro, data da posse, o presidente eleito terá na coordenação de sua segurança o delegado Alexandre Ramagem. Já o delegado Daniel França desempenhará a função de coordenador de ligação entre a PF e a equipe de Bolsonaro.

Ramagem foi o titular da investigação que deu origem à operação Cadeia Velha, deflagrada em novembro de 2017 e que prendeu os então deputados estaduais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi. O delegado ficará responsável pela coordenação da segurança de Bolsonaro.

O delegado Daniel França, por sua vez, será uma espécie de interface entre a campanha de Bolsonaro e a Polícia Federal. França já integrava a equipe de segurança do presidente eleito e era o coordenador da equipe no dia do atentando sofrido por Bolsonaro em Juiz de Fora (MG). A nomeação de França é vista na PF como uma reafirmação do trabalho correto feito por ele à frente da segurança no dia do ataque.

A mudança na proteção de Bolsonaro se deu por dois motivos. O primeiro deles é a mudança do protocolo a ser seguida a partir de agora com a elevação do nível de segurança. Com a vitória na eleição, Bolsonaro passa a ser o futuro presidente e por isso os métodos e práticas utilizadas em sua segurança seguem um protocolo próprio utilizado na segurança de chefes de estado.

Outro motivo para a mudança foi o desentendimento entre Bolsonaro e o delegado Antônio Marcos Teixeira, responsável por chefiar a equipe que fez segurança do candidato desde o dia do atentado. O desentendimento ocorreu após Teixeira repreender os agentes federais comandados por ele que permitiram que o candidato colocasse parte do corpo para fora do carro da PF e acenasse para populares ao chegar em sua residência, após votar no Rio de Janeiro. Bolsonaro, após o ocorrido, chegou a dispensar o delegado de sua segurança.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: