PF e PM do Espírito Santo prendem suspeitos de assassinar brasileira nos EUA

PF e PM do Espírito Santo prendem suspeitos de assassinar brasileira nos EUA

Agentes da Polícia Federal e da Polícia Militar do Espírito Santo cumpriram neste sábado, 22, em Cariacica, dois mandados de prisão temporária contra suspeitos do assassinato da brasileira Ana Paula Braga, de 23 anos, no último dia 30 de janeiro, em Los Angeles

Redação

22 de fevereiro de 2020 | 21h20

A cidade de Caricica, no Espírito Santo. Foto: Google Maps

Agentes da Polícia Federal e da Polícia Militar do Espírito Santo prenderam neste sábado, 22, em Cariacica, no Espírito Santo, dois homens suspeitos do assassinato da brasileira Ana Paula Braga, de 23 anos, no último dia 30 de janeiro, em Los Angeles, nos Estados Unidos. A PF indicou foram cumpridos mandados de prisão temporária contra os suspeitos em ação com a participação do Grupo Integrado de Operações de Segurança Pública do Espírito Santo e apoio de agência de segurança dos EUA.

Segundo a PF, os suspeitos teriam começado uma ‘fuga cinematográfica’ logo após a mote de Ana Paula, tendo deixado Los Angeles no carro da vítima, carregando o corpo dela em uma viagem de 2 horas, até abandoná-lo na cidade de Hot Springs. Depois seguiram o Estado de Oklahoma, onde tomaram um ônibus para o Texas, diz a corporação.

“A fuga ainda contou com uma travessia terrestre para o México, de onde, a partir da capital, Cidade do México, tomaram um avião para o Rio de Janeiro”, informou a Polícia Federal.

Ainda segundo a corporação, os acusados pressionaram e extorquiram os familiares da vítima.

A Polícia Federal passou então a monitorar os acusados mantendo contatos com as autoridades dos EUA.

Enquanto a corporação brasileira acompanhava os suspeitos, o Los Angeles Police Department investigava as circunstâncias do crime e da fuga. Segundo a PF, os contatos entre as agências eram feitos com participação do Serviço de Segurança Diplomática do Consulado Americano no Rio de Janeiro e da Adidância da Polícia Federal em Washington.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.