PF dobra equipe da Lava Jato em Brasília para encerrar inquéritos contra políticos antes das eleições

PF dobra equipe da Lava Jato em Brasília para encerrar inquéritos contra políticos antes das eleições

Diretor-geral da Polícia Federal autorizou a nomeação de mais 8 delegados, 7 escrivães e 17 analistas para atuar no Grupo de Inquérito responsável por 273 investigações em curso no Supremo Tribunal Federal

Fabio Serapião / BRASÍLIA

04 Janeiro 2018 | 18h49

Foto: Dida Sampaio/Estadão

A Polícia Federal mais que dobrou a equipe que atua nos inquéritos envolvendo políticos no Supremo Tribunal Federal (STF), entre eles os da Lava Jato, para tentar encerrar as investigações antes das eleições deste ano. O novo diretor-geral da PF, Fernando Segovia, autorizou o nomeação de mais 8 delegados, 7 escrivães e 17 analistas para atuar no Grupo de Inquérito (GINQ) responsável pelas 273 investigações em andamento na Corte. No STF tramitam os casos envolvendo políticos com foro por prerrogativa de função, o chamado foro privilegiado.

Lava Jato investiga ‘Lula, o filho do Brasil’

Palocci diz querer colaborar, mas silencia sobre ‘Lula, o filho do Brasil’

Sérgio Cabral é denunciado pela vigésima vez

Com a meta de encerrar todas as investigações até o início da campanha eleitoral, a PF deve se posicionar nos próximos meses em relatórios finais sobre a prática ou não de crimes em casos envolvendo o presidente Michel Temer, a cúpula do governo e de seus principais aliados. São investigados atualmente pelo GINQ, além de Temer, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral), Gilberto Kassab (Comunicações, Ciência e Tecnologia), Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e aliados como os senadores tucanos Aécio Neves (MG) e José Serra (SP), além do presidente do PMDB, o senador Romero Jucá, do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e do peemedebista Renan Calheiros (AL). Todos negam envolvimento em irregularidades.

A oposição também deve ser alvo do novo ritmo das investigações. São investigados pelos GINQ, entre outros, a senadora Gleisi Hoffman (PT-PR), o senador Jorge Viana (PT-AC) e os deputados petistas Arlindo Chinaglia, Carlos Zarattini, Zeca Dirceu e Marco Maia.

No caso de Temer, a PF ainda não concluiu um último inquérito solicitado pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot. A abertura de investigação foi autorizada pelo ministro do STF Luis Roberto Barroso, em agosto de 2017, depois de análise de documentos apreendidos na Operação Patmos, que deflagrou o caso J&F em maio, e interceptações telefônicas do então deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) com Temer tratando de um decreto relacionado ao setor dos portos. Temer e Rocha Loures são suspeitos dos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva.

Aumento de pessoal. Na gestão anterior da PF, comandada por Leandro Daiello, o GINQ contava com 24 policiais federais. A partir de agora serão 56 policiais divididos em 13 equipes formadas por 1 delegado, 1 escrivão e 2 agentes. Os outros investigadores atuarão no apoio a essas equipes. Somente o número de delegados, que presidem o inquérito, saltou de 9 para 17. A equipe ainda continua sob a tutela da Coordenação de Combate à Corrupção, chefiada pelo delegado Josélio de Azevedo, e dentro da diretoria de Combate ao Crime Organizado (Dicor), comandada pelo delegado Eugênio Coutinho Ricas.
Ao Estado, Ricas afirmou que a meta é concluir todos os inquéritos antes do início da campanha eleitoral. Atualmente, o GINQ tem sob sua responsabilidade 273 inquéritos, sendo que desse total 124 estão diretamente relacionados à Lava Jato.

“Esse aumento significativo demonstra de forma clara que a prioridade da atual gestão da PF é o combate à corrupção”, afirmou Ricas.

Ao assumir o cargo, em novembro de 2017, Segovia havia afirmado que uma de suas prioridades era dar mais celeridade às investigações envolvendo políticos e que a meta era evitar que essas investigações influenciassem a disputa eleitoral. “Foi detectado que uma falta de contingente da PF tem deixado a velocidade de produção um pouco menor do que talvez fosse o necessário. Tanto que já houve até uma reclamação de ministros do STF de que algumas investigações da PF estavam paradas”, afirmou Segovia à imprensa no dia 14 de novembro, após reunião com integrantes da operação Greenfield que também pediam apoio de mais policiais para a investigação.

Mais conteúdo sobre:

Polícia Federaloperação Lava Jato