PF diz que ainda não recebeu ordem para transferir Maluf

PF diz que ainda não recebeu ordem para transferir Maluf

Às 17h39 desta quinta, 21, Polícia Federal em São Paulo informou que 'até o presente momento' não chegou comunicação sobre remoção do ex-prefeito, condenado a 7 anos, nove meses e dez dias por crime de lavagem de dinheiro

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

21 Dezembro 2017 | 17h54

Paulo Maluf. FOTO TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

A Polícia Federal em São Paulo informou às 17h39 desta quinta-feira, 21, que ‘até o presente momento’ não recebeu comunicação sobre transferência do deputado e ex-prefeito Paulo Maluf para Brasília. Maluf deverá passar mais uma noite recolhido na Custódia da PF no bairro da Lapa, zona Oeste da capital paulista.

Condenado a 7 anos, nove meses e dez dias de prisão por crime de lavagem de dinheiro, Maluf entregou-se na quarta-feira, 20. Sua defesa luta para converter o regime fechado em prisão domiciliar.

Os advogados do deputado acreditam que se não conseguirem decisão judicial favorável ao pedido de domiciliar a remoção para Brasília poderá ocorrer entre a sexta-feira, 22, e terça-feira, 26.

O juiz da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal expediu ofício para a Superintendência da PF em São Paulo em que pede providências necessárias para ‘imediato recambiamento do sentenciado Paulo Salim Maluf’.

A PF informou, porém, que ainda não recebeu a ordem judicial, o que torna pouco provável a transferência do ex-prefeito para Brasília ainda nesta quinta.

Na Custódia da PF, Maluf se diz ‘arrasado’, ‘abalado’, e mal se alimenta. Ele se considera vítima de ‘uma grande injustiça’.

Os advogados dizem temer por sua saúde. Alegam que o ex-prefeito apresenta complicações cardíacas, hérnia de disco e câncer de próstata, que operou em 1997, logo que deixou o cargo de prefeito de São Paulo.