PF diz que 175 mil pedidos de passaporte ficaram ‘represados’

PF diz que 175 mil pedidos de passaporte ficaram ‘represados’

Em apenas três semanas, corporação deixou de emitir documentos por 'insuficiência' orçamentária, situação que agora deverá ser regularizada com aporte de R$ 102 milhões

Luiz Vassallo

21 de julho de 2017 | 17h32

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Polícia Federal informou nesta sexta-feira, 21, que no período de suspensão de emissão dos passaportes ‘foram represados cerca de 175 mil pedidos’.

A paralisação do setor da PF perdurou por três semanas, desde 27 de junho, por ‘insuficiência’ orçamentária. Nesta quinta-feira, 20, o governo comunicou o repasse de R$ 102 milhões para normalizar os serviços.

“Sobre o serviço de passaportes, a Polícia Federal informa que foi disponibilizado na tarde de hoje, 21, o crédito e o limite orçamentário referente às atividades de controle migratório e emissão de documentos de viagem”, informou a PF, em nota.

A partir desse repasse, destacou a PF, será reiniciado o processo de confecção das cadernetas, ‘sob responsabilidade da Casa da Moeda’.

“No período de suspensão, foram represados cerca de 175 mil pedidos, que passarão ser processados na ordem cronológica das solicitações.”

A PF assinalou que vai trabalhar em parceria com a Casa da Moeda ‘para que haja normalização da emissão de passaportes o mais breve possível’.