PF destaca diálogos sobre carga barrada na Europa por salmonela

PF destaca diálogos sobre carga barrada na Europa por salmonela

LEIA os diálogos dos investigados da Operação Carne Fraca, tratando sobre bloqueio de produtos fora do Brasil por contaminação, contatos no governo e partidos

Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

20 Março 2017 | 05h12

DIAOLOGO PDT

Grampos da Polícia Federal no âmbito da Operação Carne Fraca, deflagrada nesta sexta-feira, 17, revelam as conversas de funcionários da BRF sobre o bloqueio de cargas exportadas para a Europa por suspeita de contaminação por salmonela. Nas conversas, os investigados falam ainda de seus contatos no Ministério da Agricultura. As investigações miram agentes de fiscalização das Superintendências de Minas e Goiás, vinculadas à pasta, e executivos da BRF e da JBS, além de outras empresas ligadas à elas.

“Em diálogos interceptados na presente data, o investigado André Luis Baldissera, Diretor na empresa BRF, em conversa com outros funcionários de tal empresa, tratou sobre a retenção de cargas exportadas para a Europa devido à alegação de contaminação por salmonela”, registra o Relatório de Informação 03/2017, produzido pela Polícia Federal, em Curitiba.

“O fato, conforme diálogo abaixo transcrito, teria ocorrido com cargas originadas da fábrica da BRF em Mineiros/GO, mesma unidade de produção que em que em conversas anteriormente interceptadas, foram constatados outros episódios de contaminação por salmonela.”

RELATORIO INF 03 2017 SOBRE DIALOGOS SALMONELA EUROPA

BALDISSERA EUROPA SALMONELA

Após diálogo registrado no dia 13 deste mês, o delegado da Polícia Federal Maurício Moscardi Grillo fez nova representação à Justiça Federal, solicitando medidas cautelares contra os investigados. No despacho, ele pede a conversão de prisões temporárias em preventivas.

Esquema. Executivos do frigorífico JBS e da empresa BRF Brasil foram presos. O esquema seria liderado por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio. Segundo a PF, a operação detectou em quase dois anos de investigação que as Superintendências Regionais do Ministério da Pesca e Agricultura do Estado do Paraná, Minas Gerais e Goiás ‘atuavam diretamente para proteger grupos empresariais em detrimento do interesse público’.

O delegado afirmou na sexta-feira, 17, quando foi deflagrada a Carne Fraca, que parte do dinheiro arrecadado pelo esquema de corrupção envolvendo fiscais e maiores frigoríficos do País, abastecia o PMDB e o PP. Ele não revelou nomes de políticos supostamente beneficiários.

“Dentro da investigação ficava bem claro que uma parte do dinheiro da propina era, sim, revertido para partido político. Caracteristicamente, já foi falado ao longo da investigação dois partidos que ficavam claro: o PP e o PMDB”, afirmou.

DIALOGO INTEGRA SOBRE PDT

DIALOGO INTEGRA SOBRE PDT 2

Mais conteúdo sobre:

Operação Carne Fraca