PF descobre ‘Hélio’, ‘Vini’ e ‘Jack’, doleiros que movimentaram R$ 5 bi e abasteceram esquema de fraudes na limpeza urbana de São Paulo

PF descobre ‘Hélio’, ‘Vini’ e ‘Jack’, doleiros que movimentaram R$ 5 bi e abasteceram esquema de fraudes na limpeza urbana de São Paulo

Investigação mostra que alvos da Operação Chorume, fase 7 da Operação Descarte, abasteceram o escritório Claro Advogados com pelo menos R$ 400 milhões lavados para grupo empresarial responsável por metade dos serviços de varrição da maior cidade do País

Pepita Ortega

08 de fevereiro de 2020 | 10h00

Foto: Reprodução / Receita Federal

A PF aponta que os supostos doleiros Hélio Aparecido Xavier da Mota, Vinicius Paes de Figueiredo, o ‘Vini’, e Lung Tien The, o ‘Jack’ foram os responsáveis por gerar o dinheiro que abasteceu o esquema de emissão de notas frias descoberto na Operação Chorume, fase 7 da Operação Descarte, investigação sobre fraudes nos contratos de limpeza urbana de São Paulo.

O advogado Fernando Araneo, que atua na defesa de Helio Mota, ‘assevera que seu cliente não é, e nunca foi “doleiro”, bem como que prestará os esclarecimentos aos investigadores no momento oportuno’.

Os três doleiros, informa a PF, utilizaram pelo menos 20 empresas para gerar dinheiro em espécie para o esquema.

Segundo a PF, tais companhias movimentaram de 2010 a 2018, mais de R$ 5 bilhões, tendo um pico em 2014, com redução ‘drástica’ a partir de então.

O esquema era gerenciado pelos advogados Luiz Carlos Claro e Gabriel Silveira Claro, os ‘Claro’, que podem ter lavado R$ 400 milhões para o grupo Estre.

As informações constam na representação da Polícia Federal e parecer do Ministério Público Federal para deflagração da Operação Chorume, na terça, 4, quando foram cumpridos mandados de busca em São Paulo, Santa Catarina, Goiás e no Distrito Federal.

Documento

Documento

Documento

Documento

Essa nova fase da Operação Descarte mira doleiros e operadores envolvidos no esquema dos Claro e ainda uma tentativa de obstrução das fiscalizações da Receita Federal em 2017 mediante pagamento de R$ 3 milhões.

Os documentos da PF e da Procuradoria detalham como funcionava o esquema que pode ter lavado, segundo Luiz Carlos e Gabriel Claro, cerca de R$ 400 milhões entre 2012 e 2017.

Os Claro fizeram delação premiada nos autos da Chorume.

Segundo a PF, as operações fraudulentas eram utilizadas tanto para o Consórcio Soma, responsável pela metade dos serviços de varrição da cidade de São Paulo, apontado como o principal cliente dos ‘Claro’, como de outras empresas do grupo Estre.

Segundo a representação da PF, Antonio Kanji Hoshikawa, o ‘Tião’, assessor direto de Wilson Quintella Filho, executivo ligado ao grupo Estre, procurou Luiz Carlos Claro em 2012 para ‘geração de caixa 2’ para a Estre Ambiental.

‘Tião’ chegou ainda a dizer a Gabriel Claro, em uma reunião, que o ‘dinheiro era utilizado para pagamento de propina a funcionários públicos e políticos, em razão do envolvimento de empresas do grupo Estre (Estre, Soma, Cavo, Corpus, entre outras) com o setor público e participação em licitações’.

A partir daí, ‘Tião’ passou a entrar em contato com Gabriel Claro informando os valores que precisava que fossem faturados para as empresas do Grupo Estre e o consórcio Soma.

O advogado, por sua vez entrava em contato com as ‘empresas noteiras’, que simulariam o fornecimento de produtos ou prestação de serviços, assim como fazia contato com os doleiros ‘Hélio’, ‘Vini’ e ‘Jack’.

Em delação, Gabriel indicou ainda que o grupo usava códigos como nomes de vinhos para se referir a dinheiro e nome de carros para as empresas que deveriam ser faturadas, tais como: Subaru (Consórcio Soma), Peugeot (Estre Paulínia), IX35 (Estre Itapevi) e Corolla (Corpus ou Cavo).

“Em contrapartida restou pactuado que seria cobrado do Grupo Estre 18% do valor faturado; Kanji ficava com 5%; as empresas ‘noteiras’ ficavam com 4% ou 5%; os doleiros cobravam entre 2 e 2,5%; o saldo ficava com a Claro Advogados”, destaca a PF e o parecer do Ministério Público Federal.

Na decisão que desencadeou a sétima fase da Descarte, a ‘Chorume’, a juíza Silvia Maria Rocha, da 2.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, indicou que os doleiros eram ‘parte fundamental do esquema engendrado pela família Claro’ – vez que eles tornaram possível o fornecimento de dinheiro em espécie.

“Pode-se dizer que sem os ‘doleiros’ o serviço prestado pelo grupo Claro inexistiria”, escreveu Silvia.

O primeiro doleiro contatado por Gabriel Claro para o esquema foi Hélio, que era gerente bancário e procurou Luiz Claro depois de sair do emprego.

Segundo a representação da Procuradoria, a relação entre os Claro e o doleiro perdurou pelo menos dez anos. Durante tal período Hélio era remunerado com 2 a 2,5% do montante que seria convertido em espécie. Três a cinco dias depois dos pagamentos, ele entregava o dinheiro no escritório da Claro Advogados, em São Paulo.

Segundo a PF, Hélio gerou ‘centenas de milhões de reais’ para os Claro e funcionava mais como um intermediário, ‘devendo ter contato com outros doleiros’.

Os valores por ele fornecidos vinham de comércios da região do Brás e da Rua 25 de Março e também de um doleiro de conhecido por ‘Davies’.

Ainda segundo a PF e a Procuradoria, ‘com o passar dos anos, diante do aumento da demanda por dinheiro em espécie foi preciso que a organização criminosa obtivesse outra fonte.’

Foi então que ‘Vini’ passou a atuar no esquema. Ele cobrava 2% do montante gerado e, após a transferência, enviava em até dez dias um motoboy com o dinheiro em espécie.

Segundo a Polícia Federal, ‘Vini’ é filho do doleiro Sandor Paes de Figueiredo, e assim como o pai operava utilizando postos de combustível.

Gabriel revelou que os negócios com ‘Vini’ duraram até 2016 ou 2017.

A PF caracteriza ‘Vini’ como ‘o grande doleiro do esquema criminoso sob investigação, com indícios de ser o controlador de dezenas de empresas utilizadas para câmbio fraudulento’. A PF destaca que ele, assim como Hélio, ‘gerou centenas de milhões de reais’ para os Claro.

‘Jack’ e Gabriel Claro se conheceram em 2012, em uma academia de ginástica no Shopping Market Place. O doleiro seria responsável por uma empresa de importação e venda de produtos na Rua 25 de Março. Ele acertou com o advogado uma ‘articulação tributária’ na qual o doleiro simulava a venda de mercadorias.

Segundo Gabriel, em oito meses as operações com ‘Jack’ alcançam a cifra de R$ 10 milhões.

COM A PALAVRA, O GRUPO SOMA

Quando a operação Chorume foi deflagrada, a Cavo, líder do consórcio SOMA divulgou a seguinte nota: “A Cavo, líder do extinto consórcio Soma, informa que não tem conhecimento sobre a operação da Polícia Federal executada nesta terça-feira. Nenhum escritório da empresa foi alvo da ação”.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO FERNANDO ARANEO, QUE DEFENDE HELIO MOTA

O advogado Fernando Araneo, que atua na defesa de Helio Mota, ‘assevera que seu cliente não é, e nunca foi “doleiro”, bem como que prestará os esclarecimentos aos investigadores no momento oportuno’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.