PF deflagra Salve Jorge contra tráfico internacional de pessoas

PF deflagra Salve Jorge contra tráfico internacional de pessoas

Investigação aponta que um grupo planejava levar jovens amazonenses à Coréia do Sul para apresentações artísticas regionais do Amazonas e para exploração sexual

Fausto Macedo e Julia Affonso

29 de julho de 2016 | 09h19

anúncio

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira, 2, no Amazonas, a Operação Salve Jorge, contra um grupo que suspeito de tráfico internacional de pessoas para exploração sexual. Foram cumpridos 5 mandados de busca e apreensão e 5 mandados de condução coercitiva, expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Amazonas e a ação contou com aproximadamente 30 policiais. Os conduzidos estão sendo ouvidos na Superintendência Regional do Amazonas.

Segundo a Federal, as investigações indicaram que o grupo planejava levar jovens amazonenses à Coreia do Sul para apresentações artísticas regionais do Amazonas e para exploração sexual, por intermédio da empresa Brazil Amazon Shows & Productions.

“Na promessa oferecida aos dançarinos estão incluídas passagens aéreas, visto, alimentação, moradia e ainda salário mensal de R$ 3.000,00. Os anúncios de recrutamento dos jovens foram veiculados em redes sociais utilizando o nome da Polícia Federal como órgão validador dos contratos de trabalho e vistos, a fim de ludibriar os dançarinos dando a aparência de legalidade”, informa a PF em nota.

De acordo com a Polícia Federal, ‘verificou-se a participação de nacionais coreanos no financiamento do projeto criminoso’. A PF aponta que a maioria dos integrantes do grupo já estiveram no exterior, tanto na Coreia do Sul, como em países do leste europeu, agenciando dançarinos.

A deflagração da Operação Salve Jorge ocorre na véspera do Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, dia eleito pela Assembleia-Geral da ONU, e marca a participação da Polícia Federal na “Campanha Coração Azul”, que visa alertar a sociedade sobre o tráfico de pessoas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.