PF prende ex-ministro de Temer

PF prende ex-ministro de Temer

Aliado muito próximo do presidente é alvo da Operação Manus por supostas fraudes de R$ 77 mi na construção da Arena das Dunas

Julia Affonso, Fausto Macedo e Fábio Serapião

06 de junho de 2017 | 06h49

Henrique Alves. Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino

O ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves (Governo Michel Temer/PMDB-RN) foi preso pela Polícia Federal nesta terça-feira, 6, na Operação Manus. A Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita Federal, deflagrou a Manus para apurar atos de corrupção ativa e passiva, além de lavagem de dinheiro envolvendo a construção da Arena das Dunas, em Natal/RN. O sobrepreço identificado chega a R$ 77 milhões.

VEJA O VÍDEO GRAVADO PELA FENAPEF

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) também é alvo da operação.

Em nota, a PF informou que cerca de 80 policiais federais cumprem 33 mandados judiciais, sendo cinco mandados de prisão preventiva, seis mandados de condução coercitiva e 22 mandados de busca e apreensão nos Estados do Rio Grande do Norte e Paraná.

+ Eduardo Cunha repartiu caixa 2 de R$ 6 mi com Henrique Eduardo Alves e governador do Tocantins, afirmam delatores

+ Dono da Gol cita propina a Cunha e envolve Henrique Alves

+ Contratos com o Ibope dissimulavam propinas para Renan e Henrique Alves, diz delator da JBS

+ PF achou documentos de Eduardo Cunha na casa de Henrique Alves

A investigação realizada se iniciou após a análise das provas coletadas em várias das etapas da Operação Lava Jato que apontavam solicitação e o efetivo recebimento de vantagens indevidas por dois ex-parlamentares cujas atuações políticas favoreceriam duas grandes construtoras envolvidas na construção do estádio.

A partir das delações premiadas em inquéritos que tramitam no STF, e por meio de afastamento de sigilos fiscal, bancário e telefônico dos envolvidos, foram identificados diversos valores recebidos como doação eleitoral oficial, entre os anos de 2012 e 2014, que na verdade consistiram em pagamento de propina. Identificou-se também que os valores supostamente doados para a campanha eleitoral em 2014 de um dos investigados foram desviados em benefício pessoal.

Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de corrupção ativa e passiva, além de lavagem de dinheiro.

Sobre o nome da operação é referência ao provérbio latino “Manus Manum Fricat, Et Manus Manus Lavat”, cujo significado é: uma mão esfrega a outra; uma mão lava a outra.

Mais conteúdo sobre:

Operação ManusArena das Dunas