Lava Jato sem nome volta à Petrobrás

Lava Jato sem nome volta à Petrobrás

Em nova etapa da maior investigação já realizada contra a corrupção, pela primeira vez PF nao dá nome à operação, que mira quatro ex-gerentes da estatal

Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo

20 Outubro 2017 | 06h46

Petrobrás. Foto: PAULO VITOR/AGENCIA ESTADO/AE

Em nova etapa da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta-feira, 20, a Polícia Federal mira corrupção na Petrobrás. Agentes cumprem 10 mandados judiciais decorrentes de investigação que tramita perante a 13ª Vara Federal de Curitiba, sob tutela do juiz federal Sérgio Moro, para apurar o pagamento de vantagens indevidas a executivos da estatal por meio do Setor de Operações Estruturadas, o departamento de propinas do Grupo Odebrecht. Um dos alvos de mandado de prisão é o ex-gerente executivo da área Internacional da Petrobrás Luis Carlos Moreira.

Moro condena operador do PMDB a 13 anos e 8 meses de prisão

Glaucos ligou para advogado de Lula um dia antes de coercitiva do ex-presidente

Em nota, a PF informou que estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão, um mandado de condução coercitiva e um mandado de prisão temporária. Estão sendo ainda realizadas três intimações determinadas pelo Juízo Federal com a imposição de outras medidas cautelares conforme estabelece os artigos 282 e 319 do Código de Processo Penal.

De acordo com as investigações, há indícios concretos de que um grupo de gerentes da Petrobrás uniram-se para beneficiar a Odebrecht em contratações com a petroleira, mediante o pagamento de valores de forma dissimulada em contas de empresas off-shores estabelecidas no exterior.

Os investigados responderão pela prática dos crimes de associação criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro.

O investigado preso temporariamente será conduzido à carceragem da Polícia Federal em Curitiba/PR.

Em outro procedimento e atendendo também à determinação da 13ª Vara Federal de Curitiba/PR, a Polícia Federal deu cumprimento a um mandado de prisão preventiva de réu condenado em ação penal.

Também neste caso o réu será conduzido à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba/PR.

Discriminação dos mandados:

RIO DE JANEIRO/RJ

3 mandados de busca e apreensão

1 mandado de condução coercitiva

1 mandado de prisão temporária

3 intimações de medidas alternativas

1 mandado de prisão preventiva (ação penal)

RECIFE/PE

1 mandado de busca e apreensão

Mais conteúdo sobre:

Polícia Federaloperação Lava Jato