PF confisca 155 joias de Picciani

PF confisca 155 joias de Picciani

Em 14 de novembro, quando foi deflagrada a Operação Cadeia Velha, agentes apreenderam também carro de luxo, documentos e computadores

Julia Affonso

11 Dezembro 2017 | 05h00

Jorge Picciani. FOTO: TANIA REGO/AGENCIA BRASIL

A Polícia Federal apreendeu, na casa do presidente licenciado da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), 155 joias e nove relógios durante as buscas da Operação Cadeia Velha, em 14 de novembro. Os agentes pegaram também o celular da mulher do deputado.

Picciani e os deputados estaduais Paulo Melo e Edson Albertassi, também do PMDB, foram presos em 21 de novembro. O Ministério Público Federal denunciou os peemedebistas e outros 16 investigados na terça-feira, 5, por corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

 O Ministério Público Federal aponta que Picciani recebe propinas desde os anos 1990 e não deixou de receber mesmo quando ficou sem mandato, entre 2011 e 2014.

Segundo a acusação, o deputado e o filho Felipe Picciani usaram a agropecuária Agrobilara para lavar ativos via operações de venda de gado.

Na lista de joias apreendidas na casa de Picciani estão 34 aneis, 68 pares de brincos, 26 cordões, duas gargantilhas e 25 pulseiras. A PF confiscou ainda um Porsche Cayenne, um Gol e um Toyota Corolla.

Em um endereço ligado a Picciani, no centro do Rio, a PF pegou computadores, um ‘envelope branco pequeno contendo papéis rasgados encontrado no lixo’, três cheques de R$ 5 mil e um ‘cronograma geral de gastos com veículos de comunicação ALERJ’.

No gabinete do peemedebista na sede da Assembleia, os agentes apreenderam computador, documentos e comprovante de transferência bancária de R$ 30 mil.

Mais conteúdo sobre:

Jorge Piccianioperação Lava Jato