PF caça grupo que ganhou mais de R$ 16 mi grilando e vendendo terras da União no DF

PF caça grupo que ganhou mais de R$ 16 mi grilando e vendendo terras da União no DF

Operação Lazarus cumpre 15 mandados de busca e apreensão e 20 mandados de prisão temporária contra grupo que parcelou ilegalmente terrenos na Área de Proteção Ambiental do Planalto Central

Pepita Ortega e Fausto Macedo

10 de dezembro de 2019 | 08h12

Área de Proteção Ambiental do Planalto Central. Foto: Icmbio / Reprodução

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça, 10, a Operação Lazarus, para desarticular um grupo que grilava, parcelava irregularmente e vendia lotes de terras rurais da União no Distrito Federal. Segundo a corporação, a quadrilha recebeu mais de R$ 16 milhões com a venda de loteamentos irregulares que se deram na Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.

Agentes cumprem 15 mandados de busca e apreensão e 20 de mandados de prisão temporária. A Justiça determinou ainda outras medidas cautelares como bloqueio de valores, sequestro de bens, e quebras de sigilos bancários e fiscais dos investigados.

A ação é um desdobramento da Operação Colônia, deflagrada em outubro. A investigação levou a PF a identificar os chefes de um grupo criminoso que já havia tido integrantes condenados pela Justiça em razão de parcelamentos realizados na Fazenda Sucupira.

Segundo a PF, para cometer os crimes, a quadrilha forjava documentos, entre eles cessões de direitos de posse e procurações. Os investigados apontaram ainda que o grupo falsificava carimbos de cartórios e até autentificava assinaturas de pessoas já falecidas, moradores de rua ou incapazes.

Além de cometer crimes ambientais, os integrantes da quadrilha utilizavam empresas imobiliárias para realizarem ofertas e vendas de lotes irregulares, além de ‘laranjas’ para ocultar os valores recebidos, indicou a corporação.

De acordo com a PF, os investigados podem responder por crime contra a administração pública, uso de documento falso, falsidade ideológica, crime ambiental e lavagem de dinheiro. As penas de tais delitos, somadas, podem chegar a 29 anos de reclusão.

A Polícia Federal indicou ainda que os compradores dos lotes irregulares também poderão responder por participar ou auxiliar o grupo a ocultar a origem ilícita de bens e valores.

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia FederalDistrito Federal [Brasil]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: