PF apura pagamento de palestra de Lula por intermediária da Odebrecht

PF apura pagamento de palestra de Lula por intermediária da Odebrecht

Lava Jato quebrou sigilo da Telos Eventos Culturais para analisar repasse de R$ 631 mil para a LILS Palestra e Eventos, do ex-presidente, por duas palestras feitas em 2011 para empreiteira; Odebrecht e Braskem repassaram R$ 1,3 milhão para firma, que é de Porto Alegre (RS), dias antes

Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo

21 de fevereiro de 2017 | 05h00

TELOS ODB E BRASKEM 1,3 E 630

A Polícia Federal apura se a Odebrecht usou uma empresa de pequeno porte, de Porto Alegre (RS), para ocultar repasses ilegais ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na contratação, em 2011, das duas primeiras palestras do petista, patrocinadas pelo grupo.

A empreiteira foi a maior contratante da LILS Palestras e Eventos, aberta naquele ano, após ele deixar o Planalto. São 10 eventos realizados em Angola, na Argentina, em Cuba, Peru, Portugal, República Dominicana e Venezuela, sob investigação da Operação Lava Jato, em Curitiba.

A Telos Empreendimentos Culturais recebeu R$ 1,3 milhão do Grupo Odebrecht – que teve seus acordos de delação premiada homologados pela Justiça, no dia 31 de janeiro. Os valores foram para pagamento de palestras de Lula na Venezuela e no Panamá.

A força-tarefa da Lava Jato suspeita que as palestras, os valores recebidos e as movimentações financeiras da LILS ocultaram valores de corrupção e crimes de lavagem de dinheiro.

O inquérito será concluído em 2017 e deve ser anexado a mais uma denúncia criminal contra o ex-presidente, que é alvo de duas ações penais abertas em 2016, na Justiça Federal do Paraná.

As duas palestras renderam à LILS o total de R$ 631 mil, em dois pagamentos feitos pela Telos, nos dias 24 de maio e 6 de junho de 2011. Os valores foram transferidos poucos dias depois da contratante receber quatro depósitos da Odebrecht, a título de patrocínio cultural, e da Braskem – braço petroquímico do grupo, que tem como sócia a Petrobrás.

LAUDO ORIGEM RECURSOS TELOS E LILS

Siga o dinheiro. A descoberta de que Odebrecht e a Braskem eram as fontes de pagamentos das palestras veio com a ordem do juiz federal Sérgio Moro – dos processos em primeira instância da Lava Jato, em Curitiba – de quebra dos sigilos fiscal e bancário da Telos.

“O Grupo Odebrecht/Braskem transferiu o total de R$ 1,3 milhão para a empresa Telos Empreendimentos Culturais. A empresa Telos repassou, poucos dias após o recebimentos de recursos do grupo Odebrecht/Braskem, o total de R$ 631.908,46 para a empresa LILS”, informa o laudo contábil-financeiro 2396/2016, da PF em Curitiba.

O documento pericial da PF detalha as duas operações. No dia 16 de maio a Braskem depositou R$ 200 mil para a Telos e no dia 17 a Odebrecht outros R$ 450 mil – totalizando R$ 650 mil; sete dias depois, a empresa de Porto Alegre paga à LILS o valor de R$ 306 mil. No dia 26, a Odebrecht faz outro pagamento de R$ 450 mil para a Telos, e a Braskem, R$ 200 mil, no dia 28; a Telos paga a empresa de Lula no dia 6 de junho, R$ 325 mil.

O valor pago à LILS pela Telos chamou a atenção da PF – as contratantes de Lula são, em geral, empreiteiras, multinacionais e bancos.

Aberta em 2005, em Porto Alegre (RS), a empresa é de pequeno porte e tem capital social de R$ 3 mil, segundo documento da Lava Jato. Seu principal projeto cultural é o “Fronteiras do Conhecimento”, que organiza conferências com grandes pensadores, desde 2006.

Analisando os recebimentos superiores a R$ 5 mil nas contas da Telos, de 2007 a 2016, a PF constatou que de R$ 1,77 milhão que entraram, a maior parte veio do Grupo Odebrecht: foram R$ 900 mil da Construtora Norberto Odebrecht e R$ 400 mil da Braskem. O grupo já era patrocinador de projetos da Telos.

Do ponto de vista fiscal, a Lava Jato destacou ainda que, como empresa de pequeno porte, a Telos está classificada numa faixa de negócios com receita bruta entre R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões ao ano. Os pagamentos de R$ 631 mil para LILS, em 2011, chamaram a atenção.

“Considerando o enquadramento da empresa Telos e a “ordem de grandeza dos valores pagos para à empresa LILS, comparado à faixa de faturamento bruto determinado pela lei”, os peritos da Lava Jato recomendaram a quebra dos sigilos fiscal e bancário da suposta “laranja”.

 

LULA PALESTRAS DOC INSTITUTO

 

Intermediária. Intimados pela Lava Jato, os donos da Telos informaram, em documento enviado a a Curitiba no final de 2016, que foram procurados por sua patrocinadora Odebrecht, para organizar as palestras de Lula no Panamá e na Venezuela, em 2011. Segundo a empresa, a conjuntura política impediu o evento na Venezuela e a palestra acabou sendo realizada na Bahia.

Era 18 de maio de 2011, quando Lula falou para uma platéia de bilionários e seus herdeiros, em evento patrocinado pelo mexicano Carlos Slim, no hotel Transamérica, na Ilha de Comandatuba. “Brasil e América Latina: Presente e futuro” foi o tema da apresentação. De lá, embarcou para a Cidade do Panamá, para a segunda agenda como palestrantes, dois dias depois, dessa vez falando para empresários sobre “Desafios da América Latina”.

A Telos enviou para a PF o contrato com a Odebrecht, assinado em 5 de maio de 2011, e indicou o nome de Luiz Mameri, como responsável pela formalização do negócio. Informou que recebeu da empreiteira para organizar, planejar e idealizar duas palestras de Lula.

Segundo documento assinado por Pedro Longhi, sócio-administrador da Telos, a empresa pagou a LILS para “o patrocínio das palestras, sua idealização e planejamento logístico, com obtenção de autorizações relativas a diretos autoriais eventualmente exigidos”.

ODEBRECHT MAIOR PAGADORA

A organização das palestras, divulgação, inscrições e controle de convidados e autoridades, não foram objeto do contrato. “Procedeu a organização logística das palestras, idealizando datas de saída e chegada nos locais, contanto motorista, visitando e procurando possíveis hotéis, contanto segurança”, informou a Telos. Uma funcionária cuidou do trabalho na Cidade do Panamá e em Caracas. “O trabalho objeto do contrato foi efetivamente desenvolvido pela Telos no Panamá e na Venezuela.”

CONTRATO ODEB TELOS

Delatora. A força-tarefa reuniu, em dois anos investigações, e-mails e quebrou os sigilos fiscais e bancários da LILS, da Telos, da Odebrecht e de outras empresas relacionadas às atividades profissionais e institucionais do ex-presidente, para apontar movimentações financeiras suspeitas. A Telos pode ter sido usada para ocultar repasses.

A Informação Técnica 90/2016, da Polícia Federal de Curitiba, mostra que nos balanços contábeis da Odebrecht os pagamentos para a Telos apareceram. São os dois pagamentos de R$ 450 mil feitos à Telos, em 17 e 26 de maio de 2011, que foram registrados com a justificativa: “Patrocínio para entidades com fins culturais”.

TELOS PAGAMENTOS DA ODEB

Para investigadores da Lava Jato, um ponto chamou a atenção: “Ao mesmo tempo em que a empresa Telos Empreendimentos Culturais Ltda figura como contratante da palestra ocorrida do Panamá, figura também como contratada para a organização da mesma palestra, fato este que causa certa estranheza.” O documento é assinado pelo chefe do Setor Técnico-Científico da PF, em Curitiba, o perito criminal Fábio Augusto da Silva Salvador, e pelo perito criminal federal Daniel Paiva Scarpo.

conclusão laudo telos

Foi a Odebrecht também que custeou o jato usado por Lula para viajar para a Bahia e para o Panamá.

E-mails juntados nos laudos da PF mostram que um dos contatos que intermediaram o contrato da LILS via Telos foi o ex-executivo da Odebrecht Alexandrino Alencar. Ele é um dos 77 delatores da empresa que fecharam acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal, em dezembro.

São conversas entre Pedro Longhi, da Telos, Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula e sócio da LILS, e Paulo Cangussu e outra funcionária do Instituto, que citam Alexandrino como intermediário da contratação. O material foi recolhido nas buscas que fez no Instituto Lula, em março de 2016, quando foi deflagrada a 24ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Aletheia.

 

NOTA FISCAL INSTITUTO PARA TELOS

Nos e-mails, os envolvidos acertam as viagens, os custos, pagamentos, emissão de notas e contratos. Em deles, consta menção à Odebrecht como responsável também pelo custo de mais de R$ 400 mil do jato para as viagens de Lula, em maio e junho de 2011 – que foi chamado por eles de “Projeto Caribe”.

“Diante da sequência cronológica dos e-mails acima referenciados fica demonstrado que a empresa Telos foi organizadora da viagem da comitiva para Nicarágua, Panamá, Bahamas, Cuba e Venezuela que ocorreu em meados de maio e início de junho de 2011.” Os eventos, segundo a Telos, não foram todos organizados por ela. Mas foram palestras pagas pela Odebrecht.

Palestrante. As palestras da Bahia e do Panamá foram as duas primeiras patrocinadas, indiretamente, pela Odebrecht, mas as oitava e nona da atividade profissional de Lula, pós-Planalto. Por cada evento, o petista cobra o valor fixo de US$ 200 mil. São 72 palestras realizadas em seis anos, segundo documento produzido pelo Instituto Lula, em março de 2016 – quando o ex-presidente foi alvo da 24ª fase da Lava Jato e levado coercitivamente para depor, em São Paulo.

TELOS AERONAVE ODEBRECHT

A Odebrecht é a maior contratante das palestras da LILS, que estão na mira da Lava Jato. A empreiteira contratou e pagou diretamente para a empresa de Lula R$ 2,84 milhões por oito palestras realizadas depois dessas primeiras, feitas em maio de 2011, na Bahia e no Panamá, declaradas como palestras contratadas pela Telos. São dois eventos em Angola e o restante na Argentina, em Cuba, Peru, Portugal, Republica Dominicana e Venezuela.

O valor pago pela Odebrecht representa 10% do que a LILS recebeu desde que foi aberta, aproximadamente R$ 28 milhões. São eventos para grandes empresas e corporações. Quase metade desses valores pagos por empreiteiras e empresas  acusadas de corrupção na Petrobrás ou sob investigação da Lava Jato.

EMAIL TELOS ALEXANDRINO

EMAIL RUMO AO CARIBE

“O discurso de Lula teve sempre o mesmo eixo: contar o sucesso de seu governo, sua história pessoal de superação e discorrer sobre as politicas públicas e programas sociais que aplicou no Brasil”, informa o Instituto Lula, no documento sobre as palestras do ex-presidente.

VEJA A LISTA DE QUEM PAGOU AS PALESTRAS DE LULA

QUEM PAGA A LILS 1

QUEM PAGA A LILS 2

COM A PALAVRA, O INSTITUTO LULA

Por meio de nota, o Instituto Lula negou irregularidades.

“Lula é vítima de ‘lawfare’. Uma das táticas  desse fenômeno consiste justamente na abertura de  diversos procedimentos jurídicos sem materialidade, frívolos, exatamente como ocorre em relação a essa investigação relativa a palestras efetivamente realizadas pelo ex-presidente a partir de relações privadas e lícitas.

Todas as palestras do ex-presidente foram feitas e pagas com as devidas emissões de notas e pagamento de impostos.

Todas as informações sobre elas encontram-se em relatório disponível na internet.

O ex-presidente fez a palestra na Bahia em um evento empresarial, o 9 Encontro de Empresários da América Latina – Pais e Filhos, e fez uma palestra no Panamá, de forma pública.

Tudo da mesma forma que outros ex-presidentes e dentro da lei,  cobrando o mesmo valor e condições de palestras para mais de 40 empresas e setores, incluindo, por exemplo, Microsoft e InfoGlobo.”

COM A PALAVRA, A BRASKEM:

“A Braskem não pagou nenhuma palestra por meio da Telos ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A empresa mantém relação com a Telos desde 2008. Ao longo desse período, por meio do programa Fronteiras do Pensamento, patrocinou mais de 150 palestras ao longo desses anos, realizadas em São Paulo, Porto Alegre e Salvador, tendo trazido ao Brasil inúmeras personalidades como o escritor Mario Vargas Llosa, o enxadrista Gary Kasparov e o escritor Ian McEwan.”

COM A PALABRA, A ODEBRECHT

Procurada, a Odebrecht informou, via assessoria de imprensa, que “não se manifesta sobre o tema”. “Mas reafirma seu compromisso de colaborar com a Justiça. A empresa está implantando as melhores práticas de compliance, baseadas na ética, transparência e integridade.”

COM A PALABRA, A TELOS EMPREENDIMENTOS CULTURAIS

Procurado pela reportagem, Pedro Longhi, sócio-administrador da Telos Empreendimentos Culturais, não retornou às ligações. Para a Polícia Federal, a empresa disse que prestou os serviços para os quais foi contratada pela Odebrecht, de contratação e organização da logística de duas palestras do ex-presidente Lula. E que está disponível para colaborar com as investigações.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoLulaOdebrecht

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.