PF apreendeu um bilhão de documentos na Lava Jato, revela diretor

PF apreendeu um bilhão de documentos na Lava Jato, revela diretor

Delegado Leandro Daiello, que comanda corporação há seis anos e meio, informa que maior investigação já desfechada no País contra a corrupção analisou fluxo de R$ 2,5 trilhões em contas suspeitas

Luiz Vassallo

12 Agosto 2017 | 05h00

Leandro Daiello. Foto: Luiz Vassallo

O delegado Leandro Daiello, diretor-geral da Polícia Federal, revelou que na Operação Lava Jato foram apreendidos um bilhão de documentos de todo tipo, principalmente bancários, fiscais e contratuais. Segundo Daiello, os agentes e peritos federais analisaram até aqui um fluxo de R$ 2,5 trilhões que passaram por milhares de contas sob suspeita.

Durante evento na Escola de Direito da FMU, em São Paulo, Daiello falou para uma plateia de estudantes sobre o papel da Polícia Federal na Lava Jato.

O delegado apresentou um balanço da maior operação já desfechada no País contra a corrupção. Foram fechados 72 acordos de delação premiada e 6 acordos de leniência. Ao todo, foram processados 245 investigados – entre ex-dirigentes da Petrobrás, doleiros, lobistas e políticos.

A Justiça condenou 118 acusados. A Lava Jato repatriou R$ 200 milhões e bloqueou outros R$ 740 milhões.

“O que eu acho interessante é que falamos nesse número com uma naturalidade gigante”, disse o delegado. “Hoje, uma fraude de 500 mil reais isso não chama a atenção. Na época em que comecei (na carreira), eu chegava para meu chefe e dizia ‘chefe, o que vou fazer, achei uma fraude de 500 mil!’.”