PF apreende recibos de offshore com coronel amigo de Temer

PF apreende recibos de offshore com coronel amigo de Temer

João Baptista Lima Filho foi um dos alvos da operação Patmos após ter sido citado na delação de executivos do grupo J&F, dono da JBS, como responsável por receber parte dos valores de propina destinados ao presidente

Fabio Serapião

17 de junho de 2017 | 05h00

Em busca e apreensão realizada na casa do coronel João Baptista Lima Filho, amigo pessoal do presidente Michel Temer, a Polícia Federal encontrou 17 recebidos relacionados a offshore Langley Trade Co. S.A. Lima Filho foi um dos alvos da operação Patmos após ter sido citado na delação de executivos do grupo J&F, dono da JBS, como responsável por receber parte dos valores de propina destinados a Temer.

Na Receita Federal, a Langley está registrada como empresa domiciliada no exterior. O endereço registrado é o Rua Rincon, 610, 4º andar, em Montevideo, capital do Uruguai. No banco de dados do Panamá Papers, investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, o endereço está atrelado a outras offshore.

No acordo de colaboração dos executivos da J&F, o contador Florisvaldo Caetano de Oliveira, apontado como homem da JBS responsável pelas entregas de dinheiro a políticos, relatou ao menos dois encontros com João Baptista Lima Filho, amigo pessoal do presidente Michel Temer.

De acordo com o delator, o primeiro encontro teve como objetivo conhecer o destinatário, chamado de “coronel”, e combinar a forma de entrega dos valores. No segundo encontro, por sua vez, Oliveira afirmar ter entregue R$ 1 milhão em espécie para Lima Filho.

“(..)Por determinação de Ricardo Saud, o depoente entregou 1 milhão de reais no seguinte endereço: Rua Juatuba, 68, Vila Madalena, São Paulo, num escritório cuja titularidade o depoente desconhecia. Que o escritório era conhecido como sendo de alguém ligado a Michel Temer”, afirmou o delator em seu depoimento.

Outro delator, o diretor de relações Institucionais da J&F Ricardo Saud, responsável por solicitar os pagamentos à Lima Filho, entregou uma série de documentos à PGR comprovante que o endereço citado por Florisvaldo era o da empresa Argeplan, cujo dono é o amigo de Temer.

Coronel da Polícia Militar aposentado, Lima Filho é dono da Argeplan Arquitetura e Engenharia, empresa que faz parte de um consórcio que ganhou concorrência para executar serviços relacionados à usina de Angra 3 – cujas obras são investigadas na Operação Lava Jato.

A empresa finlandesa AF foi a vencedora de um contrato de R$ 162 milhões na Eletronuclear e, por exigência brasileira, subcontratou duas empresas locais: a Engevix e a AF Brasil – da qual a Argeplan faz parte.

Lima era gestor do contrato com a Eletronuclear, pela parte da Argeplan. O contrato foi assinado em 2012 para serviços de eletromecânica. O Estado revelou, em maio de 2016, que a Lava Jato investiga se houve negociação de propina nesse negócio. As irregularidades envolvendo as obras da usina foram delatadas por executivos da UTC, da Andrade Gutierrez, da Camargo Corrêa e, recentemente, da Odebrecht.

O Estado ligou na sede da Argeplan de Lima Filha e o atendente informou que a empresa emendou o feriado e que no momento não teria ninguém para falar em nome do coronel.

Mais conteúdo sobre:

JBSCorrupção