PF apreende R$ 176,7 mil em dinheiro em comitê eleitoral em Canoas (RS)

PF apreende R$ 176,7 mil em dinheiro em comitê eleitoral em Canoas (RS)

Operação Suffragium cumpriu mandado em uma residência onde foram encontrados e apreendidos mais R$ 300 mil em dinheiro

Fausto Macedo, Julia Affonso e Gabriela Lara

23 de setembro de 2016 | 09h02

PF apreendeu valores em espécie no comitê da candidata. Foto: PF

PF apreendeu valores em espécie no comitê da candidata. Foto: PF

A Polícia Federal apreendeu R$ 176,7 mil em dinheiro no comitê eleitoral da candidata à prefeitura de Canoas Beth Colombo (PRB) na tarde de quinta-feira, 22, durante buscas da Operação Suffragium. A ação que investiga crimes eleitorais cumpriu três mandados de busca e apreensão e três de condução coercitiva.

Beth Colombo é a candidata da situação na disputa em Canoas. Ela foi vice do atual prefeito, Jairo Jorge (PT), nos dois mandatos do petista. Além do PRB e do PT, a coligação Bloco do Orgulho Municipal (BOM) reúne PDT, PP, PSB, PC do B, PSD, PROS, PPS, PV, PTC, PTN e PHS.

As ordens judiciais foram cumpridas no comitê eleitoral de uma coligação, em um endereço residencial e em um depósito não declarado à Justiça Eleitoral que é utilizado para armazenar material de campanha, todos em Canoas.

No comitê eleitoral foram apreendidos R$ 176,7 mil em espécie e um cheque no valor de R$ 50 mil. No mandado de busca cumprido em uma residência foram encontrados e apreendidos aproximadamente R$ 300 mil em dinheiro.

Segundo a PF, os responsáveis pela campanha até o momento não apresentaram a comprovação de origem dos recursos apreendidos. No depósito, grande quantidade de material de campanha foi encontrado.

O inquérito foi instaurado em agosto a partir de denúncia recebida pela Polícia Federal. As investigações prosseguem para identificar a origem dos recursos.

A candidata ainda não se manifestou sobre a operação da PF. O espaço está aberto.

COM A PALAVRA, A COLIGAÇÃO QUE APOIA BETH COLOMBO

A coligação da candidata à prefeitura de Canoas Beth Colombo (PRB) afirmou que “confia plenamente” no trabalho da Justiça Eleitoral, que deverá apurar “com isenção e celeridade” os fatos envolvendo a Operação Suffragium, da Polícia Federal, que investiga crimes eleitorais e que teve como alvo a campanha da coligação.

“Nossa campanha tem sido modesta, baseada na militância voluntária dos nossos apoiadores e na realização de atividades de arrecadação”, diz a nota da coligação. “A campanha do BOM (Bloco do Orgulho Municipal) prima pela legalidade da arrecadação e contabilização dos gastos. A prestação de contas da campanha é pública e temos a tranquilidade que ela elucidará qualquer dúvida.”

 

Tudo o que sabemos sobre:

Operação Suffragiumeleições 2016

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.