PF apreende documentos na residência de Edison Lobão

PF apreende documentos na residência de Edison Lobão

Ex-ministro de Minas e Energia do Governo Dilma foi alvo da Operação Catilinárias, desdobramento da Lava Jato, que mira em lideranças do PMDB

Fábio Fabrini

15 de dezembro de 2015 | 15h14

Foto: Fábio Fabrini

Foto: Fábio Fabrini

A Polícia Federal apreendeu nesta terça-feira, 15, documentos na residência do senador Edison Lobão (PMDB-MA), em Brasília. O material foi levado em malotes. O ex-ministro de Minas e Energia do Governo Dilma foi alvo da Operação Catilinárias, desdobramento da Lava Jato, que mira em lideranças do PMDB.

Lobão foi citado por delatores do esquema de corrupção e propinas instalado na Petrobrás, entre 2004 e 2014: o ex-diretor financeiro da UTC Walmir Pinheiro Santana e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa.

Foto: Fábio Fabrini

Foto: Fábio Fabrini

O ex-diretor financeiro da UTC Walmir Pinheiro, considerado um braço direito do dono da empresa, Ricardo Pessoa, detalhou o acerto de um pagamento ao senador em razão da participação da empresa no consórcio vencedor para realizar as obras da usina de Angra 3. No depoimento, Pinheiro confirma que a propina acertada foi de R$ 1 milhão para Lobão e dá detalhes do pagamento. De acordo com ele, as entregas eram feitas a uma pessoa apresentada por Lobão e parte do pagamento foi levado de carro de São Paulo a Brasília para não despertar desconfiança das autoridades nos aeroportos.

[veja_tambem]

Paulo Roberto Costa afirmou em delação premiada, em agosto de 2014, que o senador Edison Lobão solicitou a ele R$ 1 milhão em 2008. Na época, Lobão era Ministro de Minas e Energia. As declarações constam da petição encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Foto: Fábio Fabrini

Foto: Fábio Fabrini

Foto: Fábio Fabrini

Foto: Fábio Fabrini

Foto: Fábio Fabrini

Foto: Fábio Fabrini

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.