PF apreende celular de Eduardo Cunha

PF apreende celular de Eduardo Cunha

Parlamentar foi alvo de busca e apreensão na Operação Catilinárias, deflagrada na manhã desta terça-feira

Daniel Carvalho, Andreza Matais e Fausto Macedo

15 de dezembro de 2015 | 08h32

Eduardo Cunha foi alvo de Operação da PF. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Eduardo Cunha foi alvo de Operação da PF. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Atualizada às 10h30

A Polícia Federal apreendeu nesta terça-feira, 15, o celular do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O parlamentar foi alvo de busca e apreensão na Operação Catilinárias, deflagrada pela manhã.

Um chaveiro foi chamado para abrir um cofre na residência oficial de Cunha, em Brasília, mas nada foi encontrado. O presidente da Câmara estava na residência quando a PF chegou para fazer as buscas. Segundo um de seus advogados, Eduardo Cunha estava ‘tranquilo’ e só se irritou com o ruído incessante dos helicópteros de TV, que desde muito cedo sobrevoavam o local.

[veja_tambem]

Foram alvos de ação de busca e apreensão dois atuais ministros de Dilma: Celso Pansera (Ciência e Tecnologia) e Henrique Eduardo Alves (Turismo).

A operação da PF tem outros alvos: o senador Edison Lobão (PMDB-MA) e uma empresa do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), os deputados Aníbal Gomes (PMDB-CE) e Áureo Lídio (SD-RJ), o prefeito de Nova Iguaçu, Nelson Bornier (PMDB-RJ), o ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal, Fábio Cleto (aliado de Cunha e exonerado na semana passada pela presidente Dilma), Aldo Guedes – ex-sócio de Eduardo Campos -, Lúcio Bolonha Funaro – delator do Mensalão -, Altair Alves Pinto – emissário de propina de Cunha, segundo os investigadores – e o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado.

A operação Catilinárias cumpre ao todo 53 mandados de busca e apreensão – na Câmara dos Deputados, sede do PMDB em Alagoas, na residência dos investigados, endereços funcionais, sedes de empresas, escritórios de advocacia e órgãos públicos – expedidos pelo STF, referentes a sete processos instaurados a partir de investigações da Lava Jato. Os mandados, expedidos pelo ministro Teori Zavascki, estão sendo cumpridos no Distrito Federal (9), em São Paulo (15), no Rio (14), no Pará (6), em Pernambuco (4), em Alagoas (2), no Ceará (2) e no Rio Grande do norte (1).

Catilinárias são uma série de quatro discursos do cônsul romano Cícero contra o senador Catilina.

Tudo o que sabemos sobre:

Eduardo Cunhaoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.