PF aguarda tornozeleira de Goiás para libertar homem da mala

PF aguarda tornozeleira de Goiás para libertar homem da mala

Equipamento eletrônico não está disponível no DF

Julia Lindner e Rafael Moraes Moura, de Brasília

30 de junho de 2017 | 20h13

O ex-assessor especial do presidente Michel Temer e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) só deve sair da Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal (SRDF) a partir deste sábado, 1. Nesta sexta-feira, 30, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), converteu a prisão preventiva do ex-parlamentar em recolhimento noturno, entre outras medidas cautelares alternativas.

Como Loures terá de usar tornozeleira eletrônica, a PF aguarda a chegada do equipamento de monitoramento, que deve chegar só nas próximas horas, de Goiânia. Formalmente, a PF ainda não foi notificada da decisão do Supremo.

“Para bem cumprir a decisão do STF de libertar o ex-deputado Rocha Loures apenas mediante a colocação de tornozeleira, a SRDF aguarda a chegada do equipamento. O aparelho de monitoramento deve chegar à SRDF apenas amanhã”, diz nota divulgada pela assessoria de imprensa da PF.

O advogado Cezar Bitencourt, responsável pela defesa de Loures, classificou como ‘lamentável’ a ausência de tornozeleiras na superintendência da PF no Distrito Federal.

“É uma vergonha, o cidadão não pode pagar por isso, mas vamos ser compreensivos”, comentou Bitencourt. “Esse material é indispensável hoje em dia”, completou o advogado.

Segundo o Broadcast Político apurou, Rocha Loures deverá permanecer em Brasília, assim que for solto.