PF adia depoimento de Moro no inquérito dos atos antidemocráticos

PF adia depoimento de Moro no inquérito dos atos antidemocráticos

Ex-ministro da Justiça e Segurança Pública seria ouvido como testemunha na tarde desta sexta-feira, 2, no âmbito da apuração sobre a organização e o financiamento de manifestações contra as instituições; advogados informaram que a Polícia Federal alegou 'questões técnicas e logísticas' para desmarcar interrogatório

Rayssa Motta

02 de outubro de 2020 | 11h22

A Polícia Federal adiou o depoimento do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, no inquérito que apura a organização e o financiamento de manifestações antidemocráticas. Ele seria ouvido na tarde desta sexta-feira, 2, na condição de testemunha em interrogatório na Superintendência da PF em Curitiba.

De acordo com o escritório de advocacia Sánchez Rios, que representa Moro, a Polícia Federal alegou ‘questões técnicas e logísticas’ para desmarcar o depoimento e ainda não informou uma nova data para a oitiva.

Segundo o Estadão apurou, o interrogatório de Moro não foi solicitado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) – tal como ocorreu com outras intimações da PF no curso do inquérito. O depoimento foi motivado em razão do ex-juiz da Lava Jato ter ocupado o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública na época dos fatos investigados.

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Foto: Dida Sampaio / Estadão

O inquérito dos atos antidemocráticos tramita em sigilo no Supremo Tribunal Federal (STF). A investigação foi aberta em abril, a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, depois que manifestações defendendo a volta da ditadura militar, intervenção das Forças Armadas e atacando instituições democráticas marcaram as comemorações pelo Dia do Exército em diferentes cidades do País. A realização de atos simultâneos, com carros de som e peças de propaganda ‘profissionais’, nas palavras da Procuradoria, ensejaram a apuração sobre a organização, divulgação e o financiamento desses eventos.

Além dos protestos físicos, o suposto lucro obtido por blogueiros, influenciadores e youtubers de direita com a transmissão ao vivo dos protestos chamou atenção do Ministério Público Federal (MPF). A suspeita é que parlamentares, empresários e donos de sites bolsonaristas atuem em conjunto em um ‘negócio lucrativo’ de divulgação de manifestações contra a democracia.

Nos últimos cinco meses, os delegados federais Igor Romário de Paula, Denisse Dias Rosas Ribeiro, Fábio Alceu Mertens e Daniel Daher, designados para conduzir as investigações, ouviram mais de 20 pessoas e intimaram outra dezena que deve ser interrogada nos próximos dias. São empresários declaradamente bolsonaristas, deputados da base de apoio do governo, membros do Aliança pelo Brasil (partido político que o presidente tenta tirar do papel desde que rompeu com a ala que dirige o PSL), assessores da presidência, os filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Eduardo e Carlos, e donos de páginas nas redes sociais idealizadas para defender ideais conservadores.

Tudo o que sabemos sobre:

Sérgio Moro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: