PF achou contratos de câmbio milionários de empresa ligada à Lava Jato na casa do coronel Lima

PF achou contratos de câmbio milionários de empresa ligada à Lava Jato na casa do coronel Lima

Relatório de buscas e apreensões indica operações que totalizam US$ 1,2 milhão e 1,4 milhão de euros relacionados à AF Consult, da qual amigo do presidente Michel Temer é sócio

Luiz Vassallo

25 de outubro de 2017 | 13h39

A Polícia Federal detalhou, em relatório de buscas e apreensões na Argeplan, empresa do coronel João Baptista Lima Filho – delatado por supostas propinas de R$ 1 milhão da JBS -, contratos de câmbio que totalizam US$ 1,2 milhão e ?€ 1,4 milhão relacionados à AF Consult, empresa cujo contrato com a Eletronuclear é alvo da Lava Jato. Segundo delatores, contratos para obras nas usinas renderam propinas ao PMDB.

Documento

Endereços ligados a Lima foram vasculhados no âmbito da Operação Patmos, em maio. Ele é acusado de receber R$ 1 milhão supostamente destinado ao presidente Michel Temer, segundo delatores da JBS. O coronel é amigo do presidente há mais de trinta anos.´

+ PF apreende documento com amigo de Temer e vê elo com Angra 3

A PFesmiuçou no relatório os documentos que encontrou na sede da empresa do coronel, localizada na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo.

+ PF apreende recibos de offshore com coronel

Em uma pasta apreendida, os investigadores dizem ter encontrado ‘documentos relativos a operação de câmbio envolvendo as empresas AF Consult do Brasil, Banco Ourinvest S.S. e Dascam Corretora de Câmbio’.

Já outro item encontrado pelos investigadores é a ‘Pasta Ourinvest’, com contratos para operações de derivativos com a empresa Ourinvest’, a PF encontrou contratos de câmbio que, se somados, atingem os valores de US$ 1,2 milhão e ?€ 1,4 milhão.


Dos 8 contratos de câmbio, seis são datados dos meses de março e abril. A soma dos valores chega aos R$ 881 mil. Os outros dois contratos são de setembro de 2017.

O protocolo de entrega de um destes contratos da empresa AF Consult à Ourinvest foi achado pelos investigadores em uma pasta transparente:

“O item n.0 9 apresenta diversas folhas impressas com protocolo de entrega da empresa AF Consult do Brasil Ltda, com CNPJ 08.307.539/0001- 08, para a empresa Ourinvest em que os documentos enviados são contratos de câmbio e o contrato de câmbio n.0 146892341, citado na relação do item 2, com data de 28/03/2017, com operação no valor de R$ 3.800.000,00 (três milhões e oitocentos mil reais), valor em moeda nacional, que correspondeu ao valor de USD 1.214.173,88 (um milhão, duzentos e quatorze mil, cento e setenta e três dólares dos Estrados Unidos e oitenta e oito centavos)”, detalham os investigadores.
A Argeplan, do coronel Lima, constitui o quadro societário da AF Consult, sediada na Avenida Kennedy, em São Bernardo do Campo, no ABC (Grande São Paulo).

A empresa no ABC foi subcontratada pela finlandesa AF Consult Ltd, ao lado da Engevix, no âmbito de contrato de R$ 162 milhões, em 2010, com a Eletronuclear, para obras em Angra 3.

O termo é um dos que, segundo a força-tarefa da Operação Lava Jato, teriam rendido propinas ao almirante Othon Luiz Pinheiro, ex-presidente da Eletronuclear condenado a 43 anos de prisão.

Angra 3 teria envolvido o pagamento de propinas de 1% nos contratos ao PMDB, partido de Temer, segundo relataram à força-tarefa delatores das empreiteiras UTC, Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa.

Um trecho da denúncia, oferecida em 2015 contra os executivos e o ex-presidente da Eletronuclear, mostra que um funcionário da Engevix encaminhou ‘um e-mail ao denunciado José Antunes dizendo que Othon Luiz iria convocar as pessoas de Roberto e Lima para fechar o assunto do aditivo, e que José Antunes também seria convidado para reunião.

“Roberto e Lima são pessoas ligadas à AF Consult. Na mensagem, Samuel Fayad escreve que percebeu um movimento da AF para afastar a Engevix”, diz a denúncia.

Apesar da menção, a Lava Jato não especifica quem é o ‘Lima’ da AF Consult’ e ele não é um dos denunciados.

Na casa de Lima, ainda foi encontrada ‘cópia encadernada do processo n.0 0510926-86.2015.4.02.5101, que tem como réu Othon Luiz Pinheiro da Silva e outros’.

Ainda foram encontrados documentos de contabilidade da campanha de Michel Temer à Câmara, em 2002.

“Verificou-se na posse da empresa vistoriada vários documentos que, aparentemente, não seriam de interesse da empresa Argeplan Arquitetura & Engenhearia, como é possível verificar diante da posse de diversas informações a respeito de Michel Temer”, diz o relatório.

COM A PALAVRA, A DEFESA DO CORONEL LIMA

A defesa de João Baptista Lima não vai se manifestar.

COM A PALAVRA, TEMER

A assessoria de imprensa do presidente afirma que, ‘como Lima coordenou em varias campanhas do presidente em São Paulo, era natural que ele tivesse em sua posse esses papéis’.

COM A PALAVRA, O BANCO OURINVEST

“O Banco Ourinvest informa que todas as transações realizadas pela Instituição, sem exceção, seguem rigorosos padrões de controles internos, em completo e irrestrito alinhamento às disposições legais e regulamentares a elas aplicáveis.

Esclarece, ainda, que as operações de câmbio e termos de moeda divulgados por alguns veículos de imprensa no dia 25 de outubro de 2017 estão em conformidade com essas políticas institucionais e foram devidamente registradas no Banco Central do Brasil e B3, conforme requerido pelos seus reguladores.”

Tendências: