PF acha registro de viagem de Zelada com ex-sócio de lobista do PMDB

PF acha registro de viagem de Zelada com ex-sócio de lobista do PMDB

Ex-diretor da Petrobrás foi a Mônaco, em 2011, no mesmo voo em que estava Miloud Hassene, que foi sócio de Jorge Henriques - este apontado como operador de propinas do principal partido da base aliada do governo

Redação

16 Agosto 2015 | 10h30

Jorge Zelada após ser preso no início de julho. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press

Jorge Zelada foi preso no início de julho. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press

Por Julia Affonso, Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, e Fausto Macedo

A Polícia Federal localizou o registro de viagem do ex-diretor da Petrobrás Jorge Luiz Zelada (Internacional), preso pela Operação Lava Jato, para abrir uma conta no Principado de Mônaco. O executivo saiu do País, em 7 de fevereiro de 2011, às 21h03, rumo a Paris, no mesmo voo em que estava Miloud Hassene, ex-sócio do lobista do PMDB João Augusto Rezende Henriques na empresa Trend. Segundo a PF, Jorge Zelada abriu sua conta no Banco Julius Bar, em Mônaco, em 15 de fevereiro de 2011, período em que estava na França.

zelada-viagem

No Principado, investigadores descobriram que Zelada mantinha 11,5 milhões de euros. A viagem reforça indícios de corrupção de US$ 31 milhões em contrato do navio-sonda Titanium Explorer.

“Reforçam-se, portanto, os indícios de que a conta em Mônaco mantida em nome de Jorge Luiz Zelada foi aberta no período estipulado e com a finalidade de ocultar os valores espúrios recebidos em virtude de sua atuação na Diretoria da Área Internacional da Petrobrás”, afirmou o delegado Filipe Hille Pace.

miloud-alain

O ex-diretor e o lobista do PMDB João Henriques são réus em processo na Justiça Federal do Paraná por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas envolvendo o contrato do Titanium Explorer. Segundo a denúncia da Procuradoria da República, a propina acertada no contrato era de US$ 31 milhões, dos quais US$ 20,8 milhões teriam sido efetivamente pagos. A cota do PMDB, afirma o Ministério Público Federal, chegou a US$ 10 milhões em 2009.

Zelada teve 15 encontros oficiais com lobista do PMDB, revela agenda

As provas da Lava Jato contra Zelada e o lobista do PMDB

Zelada foi sucessor do ex-diretor Nestor Cerveró – preso desde 14 de janeiro – na diretoria Internacional, cota do PMDB no esquema de loteamento político na estatal. A Procuradoria constatou que João Henriques foi executivo da Petrobrás, de onde saiu para exercer a atividade de lobista.

jorge-zelada

Foto: Reprodução/MPF

Durante as investigações da Lava Jato, o Ministério Público Federal descobriu que Zelada era controlador da conta em nome da offshore Rockfield Internacional S.A. Na conta da Rockfield Internacional a força-tarefa da Lava Jato conseguiu bloquear a maior parte da fortuna não-declarada de Zelada: 11 milhões de euros. Em outra conta aberta no mesmo banco – esta em seu nome – havia mais 32 mil euros.

‘Se não tivesse propina, negócio não prosseguia’, diz delator de Zelada

Zelada é réu em processo envolvendo a Odebrecht no Rio

Mônaco é uma cidade-Estado, paraíso-fiscal situado no sul da França. Em setembro de 2007, o ex-banqueiro italiano Salvatore Cacciola, protagonista do escândalo do Banco Marka, foi preso pela Interpol no Principado. Condenado a 13 anos de prisão no Brasil por desvio de dinheiro público e gestão fraudulenta de instituição financeira, o ex-dono do banco Marka estava foragido da Justiça brasileira ficou 7 anos foragido, desde o ano 2000.

A reportagem não localizou Miloud Hassene.

Quando foram denunciados pela Procuradoria, o PMDB e Jorge Zelada se manifestaram desta forma:

COM A PALAVRA, O PMDB:

A assessoria de imprensa do partido negou todas as acusações e disse que a sigla nunca autorizou quem quer que seja a ser intermediário do partido para arrecadar recursos.

COM A PALAVRA,  A DEFESA DE JORGE ZELADA:

O criminalista Alexandre Lopes, que defende o ex-diretor da Petrobrás, afirmou que a denúncia “é absolutamente improcedente” e disse que vai demonstrar a invalidade das acusações. “A denúncia é absolutamente improcedente e baseada em delações premiadas que não se sustentam. A defesa demonstrará a invalidade da denúncia no curso da instrução criminal”, afirmou o defensor.

Mais conteúdo sobre:

Jorge Zeladaoperação Lava JatoPMDB