PF acha R$ 6 milhões em dinheiro vivo no cofre de empresa ligada a deputado

PF acha R$ 6 milhões em dinheiro vivo no cofre de empresa ligada a deputado

Operação Km Livre, deflagrada por ordem da ministra Rosa Weber, do Supremo, vasculhou locadora de veículos em Fortaleza; defesa afirma que José Adail Carneiro (PP/CE) desligou-se da empresa 'há pelo menos seis anos'

Julia Affonso, Carmen Pompeu, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

09 de setembro de 2016 | 15h53

Adail Carneiro. Foto: Lucio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados

Adail Carneiro. Foto: Lucio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados

A Polícia Federal apreendeu R$ 6 milhões em dinheiro vivo no cofre de uma empresa ligada ao deputado Adail Carneiro (PP/CE), localizada em Fortaleza.

A busca na Locadora de Autos Ceará (Lauce) ocorreu nesta sexta-feira, 9, por ordem da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF). A ministra acolheu pedido da PF e da Procuradoria da República no inquérito da Operação Km Livre.

Os investigadores vasculharam ainda outras duas empresas ligadas ao parlamentar.

A fortuna apreendida estava dividida em pacotes com cédulas de R$ 100. Também foram confiscados computadores e documentos. O dinheiro seria originário de contratos de locação de veículos firmados pelas empresas do parlamentar com prefeituras cearenses.

Adail Carneiro foi o deputado cearense que havia se comprometido a votar contra o processo de abertura de impeachment de Dilma Rousseff, mas que, no dia da votação, mudou de lado.

Os advogados de Aldair informaram que ele se desligou da empresa ‘há pelo menos seis anos’, desde que foi eleito deputado estadual no Ceará, em 2010 – em 2014, ele elegeu-se para seu primeiro mandato na Câmara.

“Desde que eleito deputado estadual (Adail) ele afastou-se da empresa”, atesta a advogada Leliana Rolim, que faz parte da defesa do parlamentar e da locadora.

A empresa alvo da PF atua no ramo de locação de veículos. Os advogados informaram que vão pedir a devolução dos R$ 6 milhões sob alegação de que são recursos ‘contabilmente comprovados’.
Para a defesa do parlamentar ‘a apreensão é precipitada’.

A defesa destacou que a locadora ‘é uma empresa da família’ do parlamentar. Segundo os advogados de Aldair ele ‘não tem mais participação, não está mais à frente dos negócios por impedimento legal’.

A defesa informou que foi ‘surpreendida’ com as buscas e reiterou que o afastamento do deputado dos negócios ‘é um ponto absolutamente comprovado, inclusive com documentos da Junta Comercial’.

Sobre o volume de recursos encontrados no cofre da locadora, a defesa esclareceu. “A empresa possui uma frota numerosa, por isso os recebimentos naturalmente são frequentes pelo aluguel de veículos.”

Leliana informou que a defesa vai tomar medidas judiciais para obter a devolução do dinheiro. A defesa assinalou que os ‘recursos são do caixa da empresa, tudo contabilizado, com declaração da origem’.
Leliana Rolim destaca que o Código Civil ‘admite a moeda circulante, o livre trânsito do dinheiro em espécie’.

Tudo o que sabemos sobre:

STFOperação Km Livre

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: