PF acha na agenda de Bob, ‘Palocci’, ‘Duque’, ‘Lula’, ‘Dilma’

PF acha na agenda de Bob, ‘Palocci’, ‘Duque’, ‘Lula’, ‘Dilma’

Roberto Marques, o Bob, ex-assessor de José Dirceu, alvo da Pixuleco por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobrás, ficou preso 10 dias; a PF apreendeu sua caderneta de bolso

Redação

18 de agosto de 2015 | 17h25

agenda-roberto

Atualizada às 17h46

Por Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Julia Affonso

A Polícia Federal encontrou na casa de Roberto Marques, o Bob, braço-direito do ex-ministro José Dirceu, uma agenda com suas anotações pessoais, incluindo os nomes “Palocci”, “Duque”, “Lula” e “Dilma” – grafados sob a sigla “JC”. Bob foi preso no dia 3 de agosto. No último dia 12, a Justiça Federal soltou o ex-assessor de Dirceu.

A agenda de bolso de Bob foi apreendida no dia 3, em São Paulo, na deflagração da Pixuleco, a 17ª fase da Lava Jato. Intriga os investigadores anotações lançadas por Bob como ‘busca e apreensão’ entre os nomes do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ou, ainda, ‘se não for para ganhar dinheiro, fecha agora’.

agenda-roberto-2

Bob não faz nenhuma anotação complementar aos nomes escritos em sua agenda. Ao lado dos nomes do ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda/Governo Dilma), de Renato Duque, Lula e da presidente Dilma não há observação que explique o motivo da menção a eles.

Braço-direito de Dirceu diz que trabalha de graça aos finais de semana

A PF juntou a caderneta preta do ex-assessor aos autos do inquérito que mira o ex-ministro sob suspeita de propinas de empreiteiras. Os federais ainda não fizeram relatório de análise do documento.

Defesa diz que Bob, braço-direito de Dirceu, ‘não é um marginal’

Delator relata reunião com Dirceu, Vaccari, Duque e Bob, em 2013

No inquérito também são investigados, além de Bob e Dirceu, o irmão do ex-ministro Luiz Eduardo Oliveira e Silva, seu ex-sócio Julio Cesar dos Santos e o lobista Fernando de Moura, ligado ao PT.

Bob era funcionário efetivo da Assembleia Legislativa de São Paulo desde 1986. A partir de 2003, ele assumiu cargo na 1ª Secretaria da Casa. Ao mandar soltar o ex-assessor de Dirceu, o juiz Sérgio Moro impôs a ele restrições, entre as quais, afastamento imediato do Palácio 9 de Julho, sede do Legislativo paulista.

“Em atenção às indagações, esclarece-se: As anotações são meros rabiscos decorrentes de digressões livres feitas por Roberto Marques em conversa informal com amigos e familiares. Roberto tem por hábito rabiscar papéis enquanto fala e, na oportunidade, estava apenas conversando descompromissadamente sobre fatos veiculados à exaustão no noticiário jornalístico.

Roberto não conhece Dilma. Logo, restam prejudicadas as demais perguntas.

Conheceu Palocci quando este foi deputado estadual em São Paulo. Roberto é funcionário da ALESP desde 1986, mas dele nunca se tornou amigo, tampouco trabalharam juntos.

Quanto a Lula, conheceu-o há muitos anos, pois auxiliou campanhas eleitorais pretéritas de José Dirceu. Nunca possuiu laços de amizade ou de trabalho com o ex-presidente.

Encontrou Renato Duque uma vez em evento público, mas como ele jamais possuiu relação profissional ou de intimidade/proximidade. Permanece-se à disposição para qualquer esclarecimento adicional.

Cordialmente, Maurício Vasques, Rogério Seguins, Lucas Andreucci e Caio Patricio

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoRoberto Marques

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.