PF abre Ratatouille contra propinas de R$ 12,5 milhões na merenda do Rio

PF abre Ratatouille contra propinas de R$ 12,5 milhões na merenda do Rio

Quarenta agentes cumprem um mandado de prisão e nove buscas

Fausto Macedo e Julia Affonso

01 de junho de 2017 | 06h45

Foto: JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/PAGOS

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 1, a Operação Ratatouille, desdobramento da Lava Jato, no Rio. Em nota, a PF informou que quarenta policiais federais cumprem 1 mandado de prisão preventiva e 9 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal/RJ, na capital fluminense (Barra da Tijuca, Centro, Ipanema e Leblon) e nos municípios de Mangaratiba/RJ e Duque de Caxias/RJ.

+ Leia mais notícias do Blog clicando aqui

São investigadas propinas de R$ 12,5 milhões sobre contratos de merenda escolar e alimentação de presídio e hospitalar na gestão Sérgio Cabral (PMDB). Um dos alvos é o empresário Marco Antonio de Lucca, do setor de alimentação escolar e hospitalar. Ele já havia sido alvo da Operação Quinto do Ouro – que prendeu conselheiros do Tribunal de Contas do Rio.

OUTRA OPERAÇÃO NESTA QUINTA: + Cifra Oculta, da PF, mira em campanha de Haddad à prefeitura de SP em 2012

A operação é realizada em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita.

As investigações, iniciadas há seis meses, indicam o pagamento de pelo menos R$ 12,5 milhões em vantagens indevidas a autoridades públicas pelo empresário do ramo de alimentação que mantinha contratos com o Governo do Estado do Rio.

+ Lava Jato analisa se Cabral recebeu propina em contratos da Olimpíada

O preso será indiciado por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Após os procedimentos de praxe, ele será encaminhado ao sistema prisional do estado.

O nome da Operação remete a um prato típico da culinária francesa, em referência a um jantar em restaurante de alto padrão em Paris/França, no qual estavam presentes diversas autoridades públicas do estado do Rio de Janeiro e empresários que possuíam negócios com o Estado.

Mais conteúdo sobre:

Polícia Federaloperação Lava Jato